Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Demi Lovato narra overdose que mudou sua vida em documentário revelador

A cantora conta como a luta contra o vício se converteu em inspiração musical

Por Raquel Carneiro Atualizado em 19 mar 2021, 09h02 - Publicado em 19 mar 2021, 06h00

Durante show em Nova York, em março de 2018, Demi Lovato fez um desabafo: diante da plateia de 20 000 fãs, celebrou seis anos de sobriedade. Após entoar uma de suas várias baladas de superação, a cantora, então aos 25 anos, relembrou o passado: “Eu estava bebendo vodca em uma garrafa de refrigerante às 9 da manhã, e vomitando no carro quando notei que aquilo não era mais divertido”. A comemoração durou pouco. Um mês depois, Demi sofreu uma recaída: voltou a beber e experimentou drogas mais pesadas, como a heroína. No dia 24 de julho, sofreu uma overdose. Encontrada desacordada em seu quarto, Demi foi atendida por uma equipe de resgate e levada ao hospital. Sofreu três AVCs, uma parada cardíaca e falência de órgãos. Apesar dos prognósticos sombrios, ela sobreviveu.

+ Compre o CD Don’t Forget, de Demi Lovato

O drama é contado em detalhes, pela primeira vez, na série documental Demi Lovato: Dancing with the Devil (dançando com o diabo, em português), que chega ao YouTube na terça 23. Nos quatro episódios, familiares, amigos, médicos, empresários e a própria Demi relatam bastidores dos acontecimentos, antes e depois da overdose. “Já vivi nove vidas”, diz a cantora, hoje aos 28 e lidando com sequelas do episódio — como problemas na visão. O filme traz revelações estarrecedoras. Exemplo: ela teria sido abusada pelo traficante que lhe vendeu drogas na noite em que quase morreu, quando inconsciente.

+ Compre o CD Here We Go Again, de Demi Lovato

A minissérie atesta a rara honestidade de Demi em meio à purpurina do mundinho pop. Em um passado não muito distante, cantoras do gênero, amparadas por suas canções edulcoradas e aparência impecável, corriam para esconder suas falhas. Demi quebrou a imagem de falsa perfeição aos 18, quando, ainda na pele de estrela juvenil da Disney, foi internada em uma clínica de reabilitação. Na época, a desculpa divulgada foi que receberia um tratamento psicológico para “se responsabilizar por seus atos” após brigar com uma dançarina. A fachada logo caiu e a sacada foi transformar a tragédia pessoal em fonte de inspiração. Em vez de esconder suas agruras, ela expôs que sofria de um distúrbio alimentar e, desde os 17, era viciada em álcool, cocaína e ansiolíticos. As experiências foram vertidas em hits no disco Unbroken (2011). Desde então, a música virou sua válvula de escape, com letras francas e repletas de “spoilers” — um mês antes da overdose, enquanto mantinha a recaída em segredo, ela lançou Sober (sóbria, em português), um grito de socorro em que afirmava ter voltado a beber. “Quero ser um bom exemplo, mas sou só humana”, diz a letra. Demi foi então transformada em símbolo de força e superação — armadilha que a levou de volta ao vício. Traumas mal resolvidos também têm sua parcela de culpa — como um caso de abuso sexual que teria sofrido nos anos de trabalho na Disney. Sem abrir o nome do homem envolvido, ela diz que perdeu a virgindade naquilo que mais tarde percebeu ser um estupro. Na época, usava um anel de castidade, comum aos atores da Disney, para se guardar até o casamento — e não falou nada por se sentir culpada.

Continua após a publicidade

+ Compre o DVD Camp Rock

Com ascendência mexicana, Demi cresceu em Dallas, no Texas. Violento, seu pai se tornou uma figura ausente após o divórcio e morreu em 2013. A mãe, uma cantora country, lidava com distúrbios alimentares. A estreia de Demi nos palcos se deu em concursos infantis de beleza, experiência que a fez desenvolver bulimia. “Se eu perder, não vou comer nunca mais”, pensou ela antes de uma competição. Aos 9, chegou à TV, no programa Barney e Seus Amigos. Logo a Disney fez dela uma estrela mundial com o filme Camp Rock (2008), ao lado da boy band Jonas Brothers. A pressão pelo corpo perfeito e os excessos da fama foram golpes duros para a saúde mental de Demi, que hoje diz ter achado um equilíbrio emocional e alimentar. Na esteira de Dancing with the Devil, ela vai lançar em abril seu novo disco. Apesar da volta por cima, Demi assume não estar totalmente sóbria. Ela adotou um tratamento à base de medicação e do uso “moderado” de maconha e álcool. “Não é algo que funciona para todos”, alerta. Ninguém se torna uma bem-sucedida diva imperfeita por acaso.

Publicado em VEJA de 24 de março de 2021, edição nº 2730

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

CD Don't Forget, de Demi Lovato
Don’t Forget, de Demi Lovato
CD Here We Go Again, de Demi Lovato
Here We Go Again, de Demi Lovato
DVD Camp Rock
Camp Rock

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade
Publicidade