Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Corpo de Niemeyer chega a Brasília para ser velado

Ele era aguardado no Palácio do Planalto por dezenas de pessoas, entre elas a presidente da República, Dilma Rousseff e o governador Agnelo Queiroz

Por Da Redação 6 dez 2012, 14h48

O corpo do arquiteto Oscar Niemeyer chegou ao Palácio do Planalto, em Brasília, em um caminhão do Corpo de Bombeiros às 15h45 desta quinta-feira. Recoberto com a bandeira do Brasil, o caixão foi carregado pela rampa de uma de suas principais obras com direito a bastante aplauso. Símbolo de cerimônias importantes, os Dragões da Independência, um dos regimentos do exército brasileiro, se posicionaram ao longo da subida.

LEIA TAMBÉM:

LEIA TAMBÉM: Morte de Niemeyer é notícia no exterior

Corpo de Niemeyer é levado por avião da FAB para Brasília

Família se despede de Niemeyer em missa privada

‘É difícil pensar a vida sem Niemeyer’, diz amigo há 40 anos

Continua após a publicidade

A presidente Dilma Rousseff foi a primeira a receber o caixão, que, fechado, se encontra no centro do Salão Nobre. Dilma decretou luto oficial de sete dias pela morte do arquiteto. A presidente, a viúva, Dona Vera, e alguns familiares chegaram ao velório seguidos por outros políticos, tais como o vice-presidente Michel Temer, os presidentes da Câmara e do Senado, Marco Maia e José Sarney se despediram do arquiteto. A ministra Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos Humanos, foi uma das que se emocionou.

O ministro das Defesa Celso Amorim exaltou a importância do arquiteto para o Brasil. “Foi um homem extraordinário. O país tem de se orgulhar de ter tido um filho tão criativo”, disse. Já o ministro do Esporte Aldo Rebelo comparou o arquiteto a outros importantes nomes. “Oscar Niemeyer deixa uma herança benigna de inteligência e cultura. Foi de uma geração que ajudou o país a ter mais inteligência, assim como Graciliano Ramos e Jorge Amado.”

Desde cedo, coroas de flores chegam ao Salão Nobre. Algumas foram enviadas por importantes autoridades, tais como Lula e sua mulher, Maria Letícia, a família de Graciliano Ramos e o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral.

Mas, além de artistas e políticos, o povo brasiliense também presta a última homenagem ao arquiteto responsável pelas principais obras de Brasília. Centenas de pessoas esperam na fila, que começa na Praça dos Três Poderes, para entrar no velório.

O Palácio do Planalto recebe um velório pela terceira vez. O primeiro homenageado foi Tancredo Neves, em 1985. No ano passado, ex-vice-presidente José Alencar foi o segundo a ser velado.

Niemeyer, que morreu nesta quarta-feira, aos 104 anos, no Rio de Janeiro, será velado em Brasília das 16h às 20h desta quinta-feira. Depois, o corpo segue novamente para o Rio, onde será velado e, na sexta-feira, enterrado no Cemitério São João Batista.

Assim que o corpo chegou a Brasília, foi levado em cortejo que contou com a presença de familiares do arquiteto. Enquanto isso, dezenas de pessoas, entre elas a presidente Dilma Rousseff, o governador de Brasília, Agnelo Queiroz, os ministros das Relações Exteriores, Antônio Patriota, e da Defesa, Celso Amorim, o presidente do STF Joaquim Barbosa, o presidente da Câmara Marco Maia e o presidente do Senado José Sarney, aguardavam a chegada do corpo ao Palácio.

Continua após a publicidade
Publicidade