Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Com ‘Torto Arado’, autor une prestígio literário e sucesso comercial

O romance transformou o geógrafo baiano Itamar Vieira Junior no nome do momento na área

Por Raquel Carneiro Atualizado em 16 abr 2021, 12h36 - Publicado em 16 abr 2021, 06h00

Itamar Vieira Junior tinha 16 anos quando, valendo-se de uma máquina de escrever presenteada pelo pai, imaginou a história de duas irmãs e a relação delas com a terra de onde tiravam seu sustento. A ideia bebia de uma paixão então recente: na escola, o jovem baiano fora introduzido aos romances regionalistas de Rachel de Queiroz, Graciliano Ramos e Jorge Amado. Sem bagagem para fazer um livro, Vieira Junior engavetou a trama que já tinha até título: Torto Arado. Começava ali uma longa e peculiar trajetória na literatura brasileira.

Mais de duas décadas depois e hoje aos 41 anos, Vieira Junior e seu Torto Arado se tornaram um raro caso no Brasil de prestígio literário combinado a sucesso comercial. Vencedor de três honrarias editoriais — os prêmios LeYa, Jabuti e Oceanos —, o belíssimo romance de cores regionais ambientado no interior da Bahia explodiu em vendas em 2021, superando a marca de 130 000 exemplares vendidos. Em um país onde a literatura rende pouco ou quase nada aos autores, Vieira Junior comprou uma casa na orla da Praia de Itapuã, em Salvador, com o dinheiro ganho nos prêmios.

+ Compre o livro Torto Arado

Formado em geografia e doutor em antropologia, ele saiu da agitação de Salvador, em 2006, para se embrenhar no interior nordestino como analista no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Lá, percebeu que a realidade dos livros que lia na escola não fora superada. À mercê da sorte e da boa vontade da chuva, brasileiros em áreas rurais e quilombolas ainda encaravam a pobreza, a falta de moradias e de acesso à educação. Foi então que, inspirado por suas andanças, Vieira Junior ressuscitou o projeto da adolescência.

+ Compre o livro Melhores crônicas Rachel de Queiroz

Em Torto Arado, as irmãs protagonistas, Belonísia e Bibiana, são filhas de um dos muitos trabalhadores de Água Negra, uma fazenda na Chapada Diamantina. Sem cravar o período em que a história se passa, o autor transita pela realidade das pessoas que aram a terra sem salário, só pela chance de moradia em casas de barro e de cultivar roças no quintal. A obra expõe as marcas arraigadas da escravidão nos rincões brasileiros — as personagens vivem uma liberdade relativa, ainda tisnada pelo racismo. Mas, para além da carga social, é no talento com as palavras que Vieira Junior se revela um autor extraordinário. Com narrativa a um só tempo enxuta e poética, temperada pelo misticismo das heranças africana e indígena, Torto Arado cria uma ponte entre a tradição da literatura regionalista e temáticas caras ao país de hoje.

INSPIRAÇÃO - A capa do livro e a foto original, do italiano Giovanni Marrozzini: a imagem virou moda nas redes -
INSPIRAÇÃO - A capa do livro e a foto original, do italiano Giovanni Marrozzini: a imagem virou moda nas redes – ./Reprodução
Continua após a publicidade

Para o autor, uma das razões que levaram a obra a furar a bolha do nicho seria o interesse das novas gerações por um passado pouco falado nos livros de história. “O Brasil quer conhecer o Brasil”, diz ele. O fato é que, acima desse viés engajado, Torto Arado se impõe pela força intrínseca da história. E é um feito notável ter chegado aonde chegou. No Google, as buscas pelo livro saltaram 1 210% nos últimos doze meses. A popularidade é atestada de forma indisputável na lista de mais vendidos de VEJA: Vieira Junior se tornou o primeiro autor brasileiro estreante a conquistar o topo do ranking de ficção em uma década — posição ocupada costumeiramente por best-sellers internacionais ou medalhões como Chico Buarque.

+ Compre o livro Vidas Secas

A seu favor, o baiano tinha não só um bom livro, mas também a desenvoltura nas redes sociais. Foi pelo Facebook que ele entrou em contato com o editor Leandro Sarmatz, da Todavia, que publicou Torto Arado no Brasil no fim de 2019. “Li de um dia para o outro e fiquei impressionado”, conta Sarmatz. Nos tempos de pandemia, Vieira Junior reforçou sua participação virtual em feiras literárias e nas onipresentes lives. No Instagram, celebridades como Lima Duarte e Camila Pitanga engrossaram os elogios públicos ao título. Resultado: Torto Arado foi citado mais de meio milhão de vezes na plataforma. A beleza da capa “instagramável” ajuda. É comum nas redes ver fotos de fãs que emulam a pose das mulheres na ilustração feita pela artista Linoca Souza — ela, por sua vez, se inspirou em um clássico ensaio fotográfico do italiano Giovanni Marrozzini, em Camarões.

Lançado primeiro em Portugal, em 2018, após levar o Prêmio LeYa, Torto Arado continua a cruzar fronteiras. Já nas livrarias da Itália, o livro em breve terá traduções em inglês, espanhol, alemão, francês, holandês e até eslovaco. Os direitos de uma adaptação para a TV foram adquiridos pelo diretor Heitor Dhalia. Celebrado como novo astro da literatura nacional, Vieira Junior não quer se deitar sobre seus louros: “Tenho os pés no chão. Escrever é um sonho, mas não dá para viver só disso”. Ele agora trabalha em uma sequência do que planeja ser uma trilogia. A próxima trama será ambientada no Recôncavo Baiano. Que a terra que esse arado rasgou ainda renda muitos frutos.

Com reportagem de Tamara Nassif

Publicado em VEJA de 21 de abril de 2021, edição nº 2734

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Torto Arado
Torto Arado
Melhores crônicas Rachel de Queiroz
Melhores crônicas Rachel de Queiroz
Vidas Secas
Vidas Secas

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade

Publicidade