Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Cinebiografia de David Bowie não poderá usar músicas do cantor, diz filho

Duncan Jones afirmou que não cedeu os direitos e sugere projeto de Neil Gaiman no lugar

Por Redação 1 fev 2019, 14h35

Uma cinebiografia do cantor, ator e compositor David Bowie pode estar a caminho, mas, para chegar aos cinemas, ela terá que abrir mão de todas as canções do seu biografado ou comprar uma briga feia na justiça. Por outro lado, um novo projeto pode estar nascendo graças à polêmica.

A notícia da produção do longa, que se chama Stardust, foi dada pelo site da revista The Hollywood Reporter, que informou que Johnny Flynn (Acima das Nuvens), Jena Malone (Demônio de Neon) e Marc Maron (Glow) foram contratados para integrar o elenco, com Flynn no papel principal. A direção é de Gabriel Range (A Morte de George W. Bush) e o roteiro, de Christopher Bell (da série The Last Czars, ainda não lançada), e as filmagens estão previstas para começar em junho deste ano.

Johnny Flynn no filme 'Lotus Eaters', de Alexandra McGuinness
Johnny Flynn no filme ‘Lotus Eaters’, de Alexandra McGuinness. Flynn foi escalado para viver David Bowie em ‘Stardust’ /

No Twitter, o roteirista Mark Clark compartilhou a reportagem elogiando o trabalho de Johnny Flynn e perguntando a opinião do filho de Bowie, o diretor Duncan Jones (Lunar), sobre a produção. A resposta, porém, acabou provocando uma longa discussão.

Jones respondeu sugerindo que o jornalista responsável pela matéria “fizesse um trabalho investigativo”, já que, segundo ele, a família não havia concedido os direitos musicais a nenhuma cinebiografia. Ele foi adiante e disse que o filme “poderia acontecer”, mas caberia ao público decidir se gostaria ou não de ver um longa sem as canções que fizeram seu pai tão famoso.

Continua após a publicidade

Aproveitando a repercussão, Jones acrescentou que gostaria de ver, em vez da biografia, uma obra em animação que girasse em torno dos personagens criados por Bowie e que fosse escrita pelo autor Neil Gaiman (Deuses Americanos) e dirigida por Peter Ramsey (Homem-Aranha no Aranhaverso). Gaiman respondeu ao tuíte dizendo “Você é o melhor. Obrigado” e Ramsey brincou: “Eu… Espere – o quê?!? Em que universo eu tropecei?”.

Jones reforçou o pedido dizendo que “isso poderia se tornar uma celebração maravilhosa de sua vida e trabalho” e completou: “Se vocês dois quiserem levar isso adiante, vocês sabem onde me encontrar”.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês