Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Chef Paolla Carosella é criticada por levar vaca ao ‘MasterChef’

Argentina fez um discurso contra a hipocrisia dos que sentem pena dos bichos, mas usam sapato de couro

Por Da redação Atualizado em 2 out 2017, 11h40 - Publicado em 27 set 2017, 10h58

A chef Paola Carosella usou o palco do MasterChef Brasil na noite desta terça-feira para um discurso político sobre o consumo de carne. O posicionamento de Paola a favor do consumo consciente, e contra o que ela chamou de hipocrisia, dividiu opiniões. Para muitos usuários, a chef errou ao colocar uma vaca — sim, uma vaca de verdade, vivinha — na berlinda.

“Nada justifica levar um animal para dentro de um estúdio. Eu te amo, mas esse discurso foi horrível”, escreveu uma usuária no Twitter, a quem Paola respondeu também com um tuíte. “Sabe o que justifica? Que muita gente não sabe que a carne que come vem de um animal.” Outros comentários nas redes sociais consideraram exagerada a postura da chef.

Na noite desta terça, o reality culinário da Band recebeu uma vaca como convidada especial, o que levou Paola Carosella a discursar sobre a responsabilidade de cada com relação à forma como os animais são criados.

Sim, eu me considero uma pessoa cruel, eu como carne. E eu sinto dor quando olho para ela. Mas eu assumo a minha responsabilidade, eu como carne

Paola Carosella

“Quando a gente cozinha frango, o impacto não é tão grande. Mas quando a gente tem do lado um bicho desses, de 800 quilos, com essa carinha, esses olhos, a gente se horroriza. Quem está em casa começa a falar mal e, enquanto isso, come a pizza com uma fatia de linguiça ou tem um sapatinho de couro”, disse Paola, já atacando a hipocrisia. “Quando a gente olha para um bicho vivo, para mim, particularmente, vem um monte de sentimentos. Sim, eu me considero uma pessoa cruel, eu como carne. E eu sinto dor quando olho para ela. Mas eu assumo a minha responsabilidade, eu como carne.”

  • Paola continuou, listando outras responsabilidades vinculadas ao consumo de carne. “A segunda responsabilidade é estar ciente da carne que come, pesquisar quem está por trás do bicho e como esse bicho foi criado. A terceira é tomar cuidado ao cozinhar. Temos de saber aproveitar o boi, do rabo ao nariz, e respeitar muito bem cada pequenininho pedaço de carne que ele nos dá”, disse. “É difícil, mas é a realidade, não vamos ser hipócritas.”

    Continua após a publicidade
    Publicidade