Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

CEO da Fox News se demite após denúncias de assédio sexual

Roger Ailes deixa o canal depois de vinte anos. Neste mês, ele foi processado pela ex-âncora Gretchen Carlson

Por Da redação Atualizado em 21 jul 2016, 22h24 - Publicado em 21 jul 2016, 20h30

O presidente e executivo-chefe da Fox News, Roger Ailes, se demitiu nesta quinta-feira depois de ser acusado de assédio sexual por uma ex-funcionária da emissora. Rupert Murdoch, presidente-executivo da Twenty-First Century Fox, que controla a Fox News, vai assumir os cargos de presidente e de executivo interino da Fox News e da Fox Business Network.

Leia também:
Fox News negocia saída de executivo acusado de assédio sexual
Apresentadora acusa CEO da Fox News de assédio sexual

A saída marca um declínio rápido para Ailes, CEO do canal por vinte anos e um dos responsáveis por transformar a Fox News em uma emissora lucrativa e de grande audiência. A ex-âncora do canal Gretchen Carlson processou Ailes neste mês, alegando assédio sexual. Ela afirma no processo que ele a encarava de forma lasciva, chegou a chamá-la de “sexy” e que frequentemente fazia comentários de teor sexual e sobre a aparência dela. Ela relata que durante uma reunião, Ailes disse: “Eu acho que nós deveríamos ter tido relações sexuais um bom tempo atrás, assim você estaria melhor e eu estaria melhor”. Ele nega a acusação. A Fox contratou um escritório de advocacia para realizar uma investigação interna.

A New York Magazine publicou em seguida relatos de outras mulheres que se disseram assediadas por Ailes, atos que teriam ocorrido desde a década de 1960. Na terça-feira, a revista disse que a popular âncora do canal Megyn Kelly havia dito a investigadores contratados pela Fox que foi alvo de “avanços sexuais não desejados” do executivo há cerca de dez anos. Os advogados de Ailes também negam esse assédio.

Ailes vai continuar como conselheiro da Fox News até 2018 e, segundo o site do jornal britânico The Guardian, deve deixar a empresa com um montante de 40 milhões de dólares.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade