Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Autora relata abuso na infância e conivência com pedófilo famoso

No devastador 'O Consentimento', a francesa Vanessa Springora narra violência do escritor que toda intelligentsia do país sabia ser pedófilo - e não via mal

Por Diego Braga Norte Atualizado em 4 jun 2024, 13h17 - Publicado em 12 mar 2021, 06h00

Aos 13 anos, em 1985, Vanessa Springora era uma jovem parisiense como muitas da sua idade. Ouvia música e tinha seu grupinho de amigos na escola. Era filha de um casal separado e seu pai mostrava-se uma figura ausente. Como não tinha com quem ficar, frequentava eventos sociais com a mãe. Sempre solitária nessas ocasiões, despertou atenção de um homem adulto com credenciais supostamente irretocáveis. Então aos 49, Gabriel Matzneff era um escritor conhecido na França — país onde intelectuais podem alcan­çar fama de pop star. O novo amigo era charmoso, bonitão e foi apresentado à menina pela própria mãe. Mas logo se revelou um monstro. Por dois anos, Vanessa foi abusada psíquica e sexualmente pelo homem 36 anos mais velho. Essa história arrepiante é narrada no livro auto­bio­grá­fico O Consentimento.

+ Compre o livro Abuso: A cultura do estupro no Brasil

O CONSENTIMENTO, de Vanessa Springora (tradução de Maria Alice Araripe de Sampaio Doria; Verus; 192 páginas; 44,90 reais e 32,90 reais em e-book) -
O CONSENTIMENTO, de Vanessa Springora (tradução de Maria Alice Araripe de Sampaio Doria; Verus; 192 páginas; 44,90 reais e 32,90 reais em e-book) – (./.)

Escrita ao longo de seis anos e com muitas interrupções devido a compreensíveis “desgastes emocionais”, a obra é o relato de como Vanessa foi dominada por Matzneff. Muito bem redigido, o texto tem um magnetismo que dificulta a interrupção da leitura. Apesar do tema grave, a narrativa mantém a fluidez. É chocante notar como a autora, hoje aos 48, descortina a conivência que protegeu o abusador na sociedade (leia a entrevista). Seu envolvimento com Matzneff é público, sua família e outras pessoas sabiam. Mas, à exceção de um amigo de escola, ninguém repreendia o bizarro relacionamento. Afinal, ela era a jovem namorada de um escritor excêntrico e deveria ficar feliz por isso. Subjugada por uma mente manipuladora, a vítima sentia-se “única” por ter sido a “escolhida” de alguém tão influente.

+ Compre o livro Eu Tenho Um Nome

Não faltavam sinais de que Matzneff era um abusador em série. Em 1974, ele lançou o ensaio Les Moins de Seize Ans (Os Menores de 16 Anos), uma defesa da pedofilia mascarada de manifesto a favor da liberdade sexual. O ensaio lhe garantiu notoriedade e impulsionou a venda de seus livros. Em 1977, o jornal Le Monde publicou uma carta aberta em defesa da abolição da idade de 15 anos para o consentimento sexual na França. O texto era assinado pela nata da intelligentsia do país, incluindo Gilles Deleuze, Jean-­Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Roland Barthes e outros 65 nomes. Anos depois, os signatários desculparam-se pelo erro crasso — menos o autor da missiva, Matzneff. O pano de fundo da carta era um caso envolvendo três homens acusados de “atentado ao pudor sem violência contra menores de 15 anos”. O argumento central era o de que “se uma garota de 13 anos tem o direito à pílula anticoncepcional, seria uma contradição não admitir que ela tivesse também o direito de consentir relações sexuais”.

Continua após a publicidade

+ Compre o livro Pedofilia: um estudo psicanalítico

No caso da adolescente Vanessa, ela não tinha meios de saber da fama de Matzneff, mas todos os demais sabiam. E ninguém fez nada. Mais tarde, ela iria descobrir que era só mais uma das muitas vítimas de Matzneff — cujas obras, quase todas baseadas em experiências reais, narram relações sexuais com menores de ambos os sexos. “Dormir com uma criança é uma experiência sagrada, um acontecimento batismal”, escreveu ele. É de embrulhar o estômago.

ESCÂNDALO - Mulheres francesas protestam contra Matzneff: livro bombástico -
ESCÂNDALO - Mulheres francesas protestam contra Matzneff: livro bombástico – (Amaury Cornu/Hans Lucas/AFP)

Vanessa tinha 17 anos quando assis­tia a um programa televisivo em casa, em 1990. O entrevistador Bernard Pivot ri ao falar das “jovens amantes” do “colecionador de gatinhas” Matzneff. Denise Bombardier, escritora canadense e também convidada do programa, diz que está “escandalizada com a presença de um personagem tão detestável, conhecido por defender e praticar a pedofilia”. Matzneff não perde a compostura e desdenha da intervenção, dizendo que “nenhuma das jovens reclamou da relação que mantinha com ele”.

+ Compre o livro O Consentimento

Continua após a publicidade

O gatilho para Vanessa escrever suas devastadoras memórias foi a revolta ao ver Matzneff ganhar o prestigioso Prêmio Renaudot, em 2013. Depois da enorme repercussão do livro na França, Matzneff, hoje aos 84, deixou o país e refugiou-se na Itália. Será julgado em setembro por apologia e defesa da pedofilia — seus crimes de abuso sexual já prescreveram. Ela diz que não escreveu o livro por vingança, mas para despertar a reflexão sobre o tema. “Não há razão para que um escritor possa transgredir a lei em seus escritos. Por que os livros e autores que fazem apologia da pedofilia escapam dessa regra?”, questiona Vanessa. Depois de O Consentimento, e de tudo o que mudou de lá para cá, dificilmente escaparão.

Publicado em VEJA de 17 de março de 2021, edição nº 2729

VEJA RECOMENDA | Conheça a lista dos livros mais vendidos da revista e nossas indicações especiais para você.

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Abuso: A cultura do estupro no Brasil
Abuso: A cultura do estupro no Brasil
Eu Tenho Um Nome
Eu Tenho Um Nome
Pedofilia: um estudo psicanalítico
Pedofilia: um estudo psicanalítico
O Consentimento
O Consentimento

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.