Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O Big Bang da moda: mostra em Paris celebra o impacto fashion de 1997

Como o ano explodiu as passarelas para celebrar o cotidiano depois da profunda recessão econômica global

Por Simone Blanes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
12 mar 2023, 08h00

Alguns anos, na aventura da civilização, estão atrelados a movimentações tectônicas em torno das quais se erguem muralhas metafóricas do antes e do depois. Em 1968 — aquele que não terminou, na definição do jornalista Zuenir Ventura — o mundo parou para ver, ouvir e dar passagem aos estudantes de Paris, a Caetano e Gil, mas também aos assassinatos de Martin Luther King e Bobby Kennedy, além dos horrores da Guerra do Vietnã e da ditadura no Brasil. Em 1989, foi-se o Muro de Berlim, numa sucessão de derrocadas políticas nos países comunistas do Leste Europeu de tirar o fôlego — e de fazer Lenin se revirar no mausoléu da Praça Vermelha. Mas houve também um ano miraculoso na moda, o fechar de cortinas do que morreu de velho e a abertura da avenida que culminaria no vale-tudo de hoje. Foi em 1997, tema de uma exposição no Le Palais Galliera, em Paris (e onde mais poderia ser?). A mostra 1997 — Fashion Big Bang é a perfeita tradução do que o título informa: a explosão primordial nas passarelas e revistas, o reinício de tudo.

DESCONSTRUÇÃO - O traço de Rei Kawakubo para a Comme des Garçons: corpo redesenhado
DESCONSTRUÇÃO - O traço de Rei Kawakubo para a Comme des Garçons: corpo redesenhado (Comme des Garçons/Divulgação)

Mas, afinal de contas, o que ocorreu naqueles doze meses infindáveis — e por que naquele exato momento? A Comme des Garçons explodiu com os corpos desconstruídos e geométricos desenhados por Rei Kawakubo. O britânico John Galliano, contratado pela venerada Dior, bagunçou o coreto do classicismo — e, corajoso e visionário, pôs modelos negras para vestir seus cortes. Foi acusado de racismo, mas o que alinhavou era o oposto. O francês Jean-Paul Gaultier deu um chega para lá no minimalismo e na austeridade, com cores e linhas novidadeiras. Seu conterrâneo, Thierry Mugler, impregnado de sensualidade teatral, seguiu a mesma estrada. Ah, e teve ainda o charme a um só tempo delicado e iconoclasta da baguette, a bolsinha da Fendi preferida da personagem de Sarah Jessica Parker em Sex in The City.

RUPTURA - As cores de Jean Paul Gaultier: um chega para lá no minimalismo do início da década de 90 -
RUPTURA - As cores de Jean Paul Gaultier: um chega para lá no minimalismo do início da década de 90 (JP/Divulgação)

Não sobraria pedra sobre pedra. Em 1919, o pretinho básico de Coco Chanel inaugurou uma era. Em 1947, o New Look de Christian Dior reinventou a mulher. Eram pontos fora da curva. “Historicamente, os grandes anos para a moda foram ligados a um único evento”, diz Alexandre Samson, curador da exposição parisiense. “Mas 1997 teve pelo menos cinquenta momentos explosivos.” Tudo isso embebido do drama pelo assassinato de Gianni Versace, em julho, e a morte da princesa Diana, ícone fashion inescapável, em agosto.

SÍMBOLO - A bolsinha baguette da Fendi: 25 anos de estrada
SÍMBOLO - A bolsinha baguette da Fendi: 25 anos de estrada (Fendi/Divulgação)

É um engano, contudo, imaginar que 1997 tenha sido apenas um varal no qual se penduraram belezas aleatórias. Havia uma revolução em curso. Era uma resposta à crise econômica da qual o mundo ocidental saía, depois de anos de recessão. A criatividade foi costurada com avanços industriais — e o que soava estranho e espantoso nos desfiles começou a entrar nas linhas de montagem e dali foi para as ruas. “A explosão de talento daquele tempo pavimentou a moda contemporânea”, diz Miren Arzalluz, diretora do Palais Galliera.

Continua após a publicidade
SUSTO NA PASSARELA - A sensualidade teatral de Thierry Mugler: ponto-final na austeridade aborrecida
SUSTO NA PASSARELA – A sensualidade teatral de Thierry Mugler: ponto-final na austeridade aborrecida (Thierry Mugler/Divulgação)

A moda é manifesto, caminha de mãos dadas com a sociedade, distante da futilidade. É um retrato de seu tempo. Parece mágica de Harry Potter — cujo primeiro livro da saga, aliás, foi lançado em 1997 —, mas não é. A variedade impulsionada pela vontade de reinvenção, um basta à chatice incolor, ecoava, no fim dos anos 1990, uma das máximas do bom frasista Gaultier: “É lindo ser o que você é”. É mesmo.

Publicado em VEJA de 15 de março de 2023, edição nº 2832

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.