Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

VEJA Gente Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Valmir Moratelli
Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios
Continua após publicidade

O protesto de Pedro Almodóvar contra ideia de Milei para cinema argentino

Profissionais, incluindo brasileiros, dizem que propostas do político inviabilizam o mercado audiovisual no país

Por Giovanna Fraguito Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 23 jan 2024, 10h12 - Publicado em 23 jan 2024, 10h00

Pedro Almodóvar e González Iñárritu, ambos ganhadores do Oscar, lideram um protesto com mais de 300 profissionais do cinema, como diretores, produtores, atores e críticos contra a proposta do presidente argentino Javier Milei de desmantelar o Instituto Nacional de Cinema do país (INCAA) e das escolas de cinema (ENERC). A medida faz parte das ações para combater a hiperinflação no país, que inclui corte de gastos de empresas estatais ou mesmo acabar com algumas delas. A coligação Cine Argentino Unido, contra a decisão de Milei, tem nomes como o diretor brasileiro Kleber Mendonça Filho, os também cineastas Juan Antonio Bayona, Pedro Costa e Abel Ferrara, e os atores Gael García Bernal, Diego Luna e Isabelle Huppert.

“Da recém-criada agregação CINE ARGENTINO UNIDO, integrada por grande parte da comunidade de cineastas de todo o país, apelamos à solidariedade dos nossos colegas em todo o mundo. A sobrevivência da indústria cinematográfica argentina e da comunidade de trabalhadores culturais está atualmente ameaçada pelo governo de extrema direita de Javier Milei. O atual governo, após um mês de mandato e sob o pretexto da eficiência econômica, pretende privar a sociedade de uma ferramenta vital para a cidadania. Isto não é coincidência. Um povo sem história, memória e identidade é facilmente dominado e desumanizado. As leis propostas implicam uma redução total do fundo de promoção, destruindo também a autonomia do Instituto de Cinema. Esta única medida inviabiliza a atividade. Além disso, os oito campi da Universidade Pública e Gratuita de Cinema (ENERC) em todo o país não serão mais financiados. Pela sobrevivência de uma indústria virtuosa e dos seus trabalhadores, vamos parar a destruição da cultura argentina planeada pelas reformas inconstitucionais de Milei”, apresenta trecho do comunicado.

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.