Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

VEJA Gente

Por Valmir Moratelli Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios
Continua após publicidade

O absurdo caso de racismo estrutural, ao vivo, na Globo

Igor Sacramento, pesquisador e professor da UFRJ, analisa o preconceito com a convidada – negra, obrigada a servir aos apresentadores – brancos

Por Valmir Moratelli Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 14 jun 2022, 09h45 - Publicado em 14 jun 2022, 08h15

Racismo estrutural é aquele que formaliza determinadas práticas na sociedade, colocando determinado grupo em situação subjugada, muitas vezes sem se dar conta disso. Um exemplo disso aconteceu no programa É de Casa, que foi ao ar no sábado, 11, na TV Globo. A apresentadora Talitha Morete conheceu a cozinheira Silene, que vende cocadas em um salão de beleza que frequenta no Rio de Janeiro, e a convidou para fazer a receita no programa. No fim, Silene estava sentada interagindo com os demais apresentadores, quando Talitha indicou que ela deveria se levantar e servir a todos. “A dona da cocada vai fazer as honras da casa. Vai servir todo mundo, Silene! Por favor, pode oferecer, porque está todo mundo querendo”, ordenou.

Igor Sacramento, pesquisador e professor da UFRJ, explica preconceito ocorrido: “O racismo também é estrutural quando práticas corriqueiras atribuem ao corpo negro o lugar da subalternidade escravocrata. Por que a jornalista branca não pôde servir? Por que a apresentadora não pôde fazer as honras da casa se ela é a apresentadora do programa, o que incluía servir pessoas negras? Por que a mulher negra, vencedora do concurso de melhor cocada do famigerado programa, foi interpelada, convocada e constrangia a servir? Por que as tais honras da casa (cozinhar, lavar, passar, servir, cuidar, sorrir) num país escravocrata como o nosso é tarefa das empregadas domésticas e não das donas e donos de casa? O apresentador negro tentou resolver, sem problematizar, sem questionar. Assumiu o lugar servil, docilizado, disciplinado. Silene é interpelada a servir porque é negra. Isso não é uma questão de educação apenas, mas do racismo que essa estrutura todas as relações, até fazer as honras da casa”.

View this post on Instagram

A post shared by Igor Sacramento (@igorsacramento)

Continua após a publicidade

View this post on Instagram

A post shared by Talitha Morete (@talithamorete)

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.