Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

VEJA Gente Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Valmir Moratelli
Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios
Continua após publicidade

Ana Hickmann, em entrevista exclusiva: ‘Não estou feliz o tempo todo’

Apresentadora fala à coluna sobre relação com filho e de como se vê sendo exemplo a outras mulheres

Por Valmir Moratelli Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 10h57 - Publicado em 29 mar 2024, 07h00

Em dezembro, Ana Hickamnn veio a público denunciar o então marido, o empresário Alexandre Correa, por agressão. O casamento de 25 anos, que resultou em um filho, Alezinho, se desfez. Nos últimos meses, o empresário tem atacado a apresentadora, que acaba de assumir relacionamento com Edu Guedes, seu colega do Hoje em Dia, da TV Record. Orientada pelos advogados, Ana prefere não falar sobre o processo de divórcio, possibilidade de uma nova gravidez ou a respeito das dívidas que teria contraído devido a má gestão do marido. Em conversa exclusiva com a coluna, porém, ela detalha a rotina com o filho e de como se vê sendo exemplo a outras mulheres.

Seja pela TV ou Instagram, você sempre passou a ideia de uma mulher sofisticada e feliz. É possível ser a mesma pessoa o tempo todo – na TV e nas redes sociais? Assim como todo mundo, tenho dias bons e ruins. Não estou feliz o tempo todo, mas entendo que as pessoas que me assistem e me acompanham querem me ver bem e forte. Então, na maioria das vezes, procuro entregar a minha melhor versão. As redes sociais me aproximaram mais do público e, às vezes acabo mostrando meu lado mais frágil também, é inevitável.

Como pessoa pública, você é porta-voz para tantas mulheres que te acompanham. Em algum momento isso se torna um fardo em sua vida? Não é um fardo. Fico muito feliz quando mulheres me contam o quanto a minha trajetória pessoal e profissional as inspira. Não encaro isso como uma cobrança. Tenho muito orgulho da minha história. E, principalmente, todo momento que uma mulher se aproxima e fala o quanto atitudes que tive para lutar em situações difíceis foram importantes na vida dela, acho que a minha missão foi cumprida. A gente passa por situações difíceis, mas nós temos a escolha de lutar e seguir a diante ou ficar triste e se esconder. Sempre fui do lado da mulher que luta e se isso for bom exemplo para elas, quero continuar fazendo isso!

Há um movimento forte de apresentadores de TV seguindo para o Youtube. O que pensa sobre a possibilidade dessas novas fronteiras de comunicação? Acho incrível! Em maio, o meu canal do Youtube completa 7 anos e amo ter esse espaço para me comunicar com as pessoas. Lá, tenho a possibilidade de mostrar mais do meu dia a dia, as minhas viagens, o meu trabalho fora da TV e a minha família. Foi no Youtube que descobri o quanto cozinhar é especial para mim. Me aprimorei para os vídeos, faço testes, crio pratos e hoje tenho um quadro semanal só de receitas.

Continua após a publicidade

Como administra a “visibilidade” em tempos de redes sociais? Há um limite a ser colocado? Amo dividir parte da minha vida com meus seguidores. Gosto de compartilhar meus pensamentos, minha rotina e momentos felizes. Não acho que isso atrapalhe a minha felicidade, porque sou bem comedida com o que publico. Escolho o que quero dividir e sei até onde um conteúdo pode ser positivo para dividir com as pessoas.

Como uma pessoa que trabalha bastante, de que forma seu lado mãe se equilibra no dia a dia? A coisa mais importante da minha vida é meu filho! E quando ele nasceu, eu descobri que a gente tem sim o dom de fazer o nosso tempo multiplicar e render muito. Eu não consigo levar o meu filho para a escola todos os dias, mas consigo buscá-lo, acompanho as tarefas e mantenho contato com a direção pedagógica constantemente. Ao mesmo tempo, consigo mostrar para ele o quanto é importante a gente ser responsável, trabalhador, honesto, também consigo dar exemplos do meu dia a dia.

É possível estar presente em todas as atividades do seu filho? Acho que como mãe, não é só o tempo que estou ao lado dele, mas sim, as coisas que consigo trazer para a vida dele. Eu me adapto a rotina dele. Acordo às 5h da manhã todos os dias, assim consigo me preparar, fazer minhas coisas pessoais, para depois descer e montar a mesa do café todos os dias. Acordo o Alezinho às 6h. O jantar é algo sagrado, o almoço é algo mais difícil, porque ele tem atividades na escola. Os momentos que a gente tem junto são de qualidade.

Continua após a publicidade

Por que a decisão de não morar na capital? Escolhemos viver no interior, por uma série de motivos, mas pela qualidade de vida, pela segurança, pela escola que meu filho é apaixonado. Ele participa muito das decisões comigo. Às vezes, gasto mais de 4h no trânsito e estrada, mas faço isso feliz, porque sei que ele ama onde vive, que ele é feliz com os amigos dele. Então, como mãe, sinto que tenho que trazer sempre o que é melhor para ele e me esforço para isso.

Que mensagem gostaria de deixar a todos que te admiram e te respeitam? Obrigada por cada mensagem de carinho e apoio que vocês me enviam. Vocês me fortalecem, me encorajam e me dão muito amor. É muito importante saber que tenho tantas pessoas incríveis ao meu lado.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.