Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
. Thomas Traumann Jornalista e consultor de comunicação, é autor de "O Pior Emprego do Mundo", sobre o trabalho dos ministros da Fazenda. Escreve sobre política e economia

Bolsonaro tenta transformar Alexandre de Moraes no novo Sergio Moro

Ação do presidente contra ministro STF copia tática da defesa de Lula durante a Lava Jato

Por Thomas Traumann Atualizado em 18 Maio 2022, 19h49 - Publicado em 18 Maio 2022, 17h35

A ação do presidente Jair Bolsonaro acusando o ministro do STF Alexandre de Moraes de suspeição nas investigações que o envolvem repete a tática usada pelo PT na defesa do seu principal adversário, o ex-presidente Lula da Silva. Com a ação, apresentada na terça-feira (17 de maio) e rejeitada na quarta, Bolsonaro personaliza as acusações de que ele, seus filhos e assessores do Palácio do Planalto organizaram uma campanha digital de difamação e ameaças de agressão contra os ministros do Supremo. Ao insistir na ação contra o ministro Alexandre de Moraes agora com uma representação na Procuradoria Geral da República, Bolsonaro não busca uma vitória jurídica, mas uma ação política, transformar toda e qualquer ação do ministro Alexandre de Moraes numa questão pessoal.

Em circunstâncias distintas, Lula havia feito isso ao transformar os inquéritos da Lava Jato em uma disputa política sua com o então juiz Sergio Moro. A operação deu errado no começo e Lula foi condenado e preso. Mas a partir das revelações das conversas de Moro com os procuradores de Curitiba restou poucas dúvidas de que houve transgressões nos inquéritos. O processo foi anulado e Moro considerado suspeito pelo Supremo Tribunal Federal. Lula recuperou os direitos políticos e lidera as pesquisas para as eleições de outubro.

Bolsonaro, agora, quer transformar Alexandre de Moraes no novo Sergio Moro.

Há motivos estratégicos para essa nova postura. Na semana passada, Alexandre de Moraes determinou que os ataques feitos pelo presidente Bolsonaro às urnas eletrônicas e ao sistema eleitoral devem ser investigados em conjunto com o inquérito da milícia digital que atua contra a democracia. Agora, as investigações se aproximam de dois ministros generais, Luiz Eduardo Ramos e Augusto Heleno. A Polícia Federal revelou que o técnico de informática Marcelo Abrieli disse em depoimento ter sido levado pelos dois ministros generais a se reunir com o presidente Bolsonaro em agosto de 2021 para apresentar dúvidas sobre o sistema eleitoral. Horas depois do encontro, Bolsonaro fez uma transmissão pelo Facebook dizendo ter provas de fraudes na eleição de 2014 e mostrou dados sigilosos do TSE. A transmissão dos dados gerou um dos vários inquéritos no STF.

O STF também avançou nas investigações sobre o financiamento da produção do material distribuído nas correntes de WhatsApp bolsonaristas. Vários empresários estão sob investigação por terem pago valores mensais para sustentar os ataques aos ministros do STF ao longo de 2021.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)