Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
. Thomas Traumann Jornalista e consultor de comunicação, é autor de "O Pior Emprego do Mundo", sobre o trabalho dos ministros da Fazenda. Escreve sobre política e economia

85% querem mudança nos preços da Petrobras, diz pesquisa

Levantamento Genial/Quaest mostra que eleitores defendem subsídio nas passagens de ônibus e culpam Bolsonaro pela alta de preços

Por Thomas Traumann Atualizado em 8 abr 2022, 21h46 - Publicado em 8 abr 2022, 12h18

Dados inéditos da pesquisa Genial/Quaest mostram que 85% da população rejeita a atual política de preços da Petrobras, na qual a variação das cotações internacionais do barril de petróleo é repassada para o consumidor brasileiro. Segundo a pesquisa, apenas 3% dos eleitores concordam que a companhia deveria continuar subindo os preços conforme o mercado internacional. O presidente Jair Bolsonaro é considerado pelos entrevistados como o maior responsável pela alta dos preços.

Os preços dos combustíveis serão um dos eixos da campanha eleitoral. Depois que a Petrobras reajustou no mês passado em 25% os preços do óleo diesel e 18% da gasolina, Bolsonaro demitiu o então presidente da Petrobras, general Silva e Luna. Na quarta-feira 6, o governo indicou José Mauro Ferreira Coelho para presidir a Petrobras e Márcio Andrade Weber para comandar o conselho de administração. Ambos são favoráveis a manter o atual sistema de repasses de preços.

Em razão do aumento nos combustíveis, a inflação de março foi a maior para o mês desde a implantação do Plano Real, 1,62%. É um índice tão alto que significa que apenas no primeiro trimestre os preços no Brasil subiram 3,2%, quase a previsão inicial de inflação para o ano todo. Na pesquisa Genial/Quaest, 74% dos entrevistados disseram esperar que a inflação continue subindo.

Perguntados sobre quem é o responsável pela alta nos combustíveis, os eleitores responderam:

24% Bolsonaro
15% Petrobras
14% guerra entre Rússia e Ucrânia
2% governadores

Continua após a publicidade

Colocados pela Quaest em torno de outras opções, os eleitores defenderam subsídios:

52% querem que os governos arquem com parte das passagens de ônibus; 26% são contra.
44% apoiam dar um vale-combustível aos caminheiros, motoristas de táxis, ônibus e aplicativos; 30% são contra.

Apesar da queixa contra a Petrobras, os eleitores se dividiram sobre a hipótese de uma interferência nos preços:

35% disseram “apoiar totalmente” congelar os preços, mesmo que isso cause prejuízo à Petrobras.
24% disseram “apoiar a ideia em parte”.
36% foram contra.

A privatização da companhia não é popular. Segundo a pesquisa, 53% dos brasileiros são contra e só 29%, a favor.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)