Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Tela Plana Por Blog Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming

Neil Gaiman, autor de ‘The Sandman’, a VEJA: ‘Sem a imaginação, nada muda’

O inglês fala sobre a criação da série, o sucesso das tramas de fantasia e as lições que se pode extrair delas

Por Jennifer Queen Atualizado em 5 ago 2022, 18h02 - Publicado em 5 ago 2022, 06h00

Seu nome hoje é uma potência da fantasia adulta. Por que o gênero está tão em alta? A fantasia é uma ferramenta fabulosa para ver o mundo. Ela permite ao autor contar coisas grandiosas e muitas vezes verdadeiras sem se limitar aos fatos. Posso falar sobre uma convenção de serial killers ou discorrer sobre o significado da vida contando uma história que acontece a cada 100 anos em um mesmo pub.

Da mitologia à cultura pop, o manancial de referências de Sandman impressiona. Como surgiu a história? A DC (editora de quadrinhos) me deu uma folha em branco, e eu falei sobre a possibilidade de retomar um personagem antigo chamado Sandman. A primeira reação foi “hum, aquelas coisas estranhas”. Eles pediram que, ao voltar a esse personagem, eu deveria fazer a minha versão. Criei então o Senhor dos Sonhos, e o lugar para onde você vai quando fecha os olhos toda noite.

Num episódio marcante da série, o personagem John Dee usa um rubi mágico para subtrair os sonhos das pessoas numa lanchonete, com resultados trágicos. O que quer transmitir com tramas assim? Sandman é um jeito de olhar para nossos sonhos — não só os literais, que acontecem quando adormecemos, mas nossas aspirações, esperanças, aquilo que nos guia. Todos naquela lanchonete estavam seguindo seus sonhos. Mas, sob a perspectiva de John Dee, eles viviam mentiras.

Como assim? Ele quer um tipo de honestidade para o qual a humanidade não foi feita. É daí que a escuridão do episódio vem. Ele expõe o que acontece com as pessoas quando você tira os sonhos delas. Quando você tira, ainda, o controle social. Quem as pessoas se tornam?

Essa visão coincide com a sua? Creio que os sonhos são as coisas mais importantes que existem. Sem a imaginação, nada muda. Sem os sonhos, nada pode ser diferente. Hoje, vivemos num mundo em que os sonhos sombrios de algumas pessoas levam a caminhos perigosos. As pessoas precisam saber que as coisas podem ser diferentes, e melhores. É aquilo em que acredito.

Publicado em VEJA de 10 de agosto de 2022, edição nº 2801

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)