Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Tela Plana

Por Kelly Miyashiro Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming
Continua após publicidade

Jodie Foster a VEJA: ‘Aprendi a seguir minha intuição’

A atriz fala sobre os desafios de protagonizar a série 'True Detective' e por que acha histórias de crimes fascinantes

Por Kelly Miyashiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 09h36 - Publicado em 12 jan 2024, 06h00

Essa é a primeira vez que True Detective tem mulheres no protagonismo e na direção. Como foi essa experiência? Foi algo necessário. Conforme começamos a gravar, percebemos como a perspectiva feminina é específica e importante para lapidar as personagens e sua relação com o passado. As experiências que elas tiveram afetam suas atitudes no presente, moldam suas personalidades, e como elas são pessoas machucadas esse conjunto afeta a forma como elas lidam com o mundo exterior e como agem em suas relações interpessoais.

Leia também: ‘True Detective’ volta ao auge com Jodie Foster e assombrações escabrosas

É diferente da abordagem masculina de outras temporadas, certo? Acredito que sim, e isso rendeu uma experiência rica e complexa. Creio que essa magia acontece quando você infunde a psique feminina em uma narrativa que costumava ser do gênero masculino.

O que a atraiu a entrar nesse projeto? Foi um caso de amor. Tínha­mos aqui um roteiro incrível — assim que eu li quis embarcar, e conhecer a Issa me fez querer trabalhar com uma pessoa com uma visão tão clara dessa história. Acho que pela minha experiência aprendi a seguir minha intuição sobre pessoas, e saber quando dizer sim.

Continua após a publicidade

O frio potencializa a atmosfera assustadora da série. Vê esse fator como essencial para a narrativa? Estar nesse local frio de verdade é muito melhor do que estar em um estúdio com gente jogando neve de mentira em você. A realidade de estar congelando, no meio da natureza e no escuro, claramente passa essa sensação para a tela. E tivemos muitos indígenas do Alasca e da Groenlândia participando disso, sentimos sua história, que é central nisso tudo.

Na sua visão, por que o público é fascinado por histórias criminais, de ficção ou true crime? Porque é bom. Não é tanto sobre o gênero, mas porque é baseado na realidade de certa forma. Dentro dessas histórias, aqueles relacionamentos são verdadeiros, complexos e às vezes fáceis de se identificar: muitos podem tê-los vivido por aí. O público sente isso, é uma combinação de cinema e verdade.

Publicado em VEJA de 12 de janeiro de 2024, edição nº 2875

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.