Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Tela Plana Por Blog Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming

Bruna Louise: a musa desbocada da comédia nacional chega à Netflix

Com piadas da pesada, a curitibana é estrela de um stand-up solo na plataforma de streaming

Por Amanda Capuano Atualizado em 17 jun 2022, 17h14 - Publicado em 18 jun 2022, 08h00
AUTOBIOGRÁFICA - Bruna: relacionamentos frustrados acabam virando piada -
AUTOBIOGRÁFICA - Bruna: relacionamentos frustrados acabam virando piada – @abrunalouise/Instagram

Acostumada a fazer rir desde criança, Bruna Louise irritava os diretores das peças em que atuava adicionando piadas improvisadas entre as falas exaustivamente ensaiadas. Mas o sonho da curitibana era ser uma atriz séria. Formada em artes cênicas e cria do teatro tradicional, Bruna alimentava uma aversão especial em relação aos comediantes de stand-up. “Eu tinha era recalque de ver os moleques subindo no palco para falar besteira”, disse ela a VEJA, com seu modo debochado e sotaque curitibano cadenciado. Quando assumiu pela primeira vez o microfone como “os moleques”, há cerca de doze anos, tudo mudou: “Foi libertador. Entendi que eu tinha o que falar, e que eu queria falar”. A trajetória de lá para cá foi repleta de percalços, sendo o principal o fato de Bruna ser uma mulher jovem e bonita num meio predominantemente masculino. No dia 22, a artista de 37 anos derrubará mais um tijolo desse muro: Bruna se tornará a primeira mulher brasileira a lançar uma apresentação de stand-up solo na Netflix. O especial batizado de Bruna Louise: Demolição é todo pautado no humor do tipo “sincerão”. Sua vida pessoal e experiências sexuais estão entre os temas que ela discorre — usando uma clareza didática e termos que podem ruborizar os mais recatados.

Step by Step to Stand-Up Comedy

Assim como outras comediantes, Bruna furou a bolha de sua área com uma ajudinha da internet: ela soma mais de 12 milhões de seguidores entre Instagram, TikTok e YouTube. Sua maior inspiração, porém, vem de uma veterana que fez sucesso na TV aberta: a incomparável Dercy Gonçalves. “Ela mudou o meu jeito de ver a comédia. Percebi que podia usar meus problemas pra rir de mim mesma e transformar tristeza em humor”, relata Bruna.

Não por acaso, o abandono paterno é um de seus temas cativos. Criada em uma família só de mulheres, ela conheceu o pai apenas no ano passado, aos 36. “Nasci de parto normal, que é quando a mãe fica com a criança e o pai vai embora”, brinca nos shows. Solteira, já costuma ouvir que “assusta os homens”. “Sou tipo dois caras em uma moto”, brinca, usando como referência a situação que virou sinônimo de pavor para os brasileiros nas redes sociais.

Continua após a publicidade

Mais comédias para ler na escola

Assim como Dercy, Bruna é desinibida, desbocada e contraria as convenções antiquadas do que uma mulher pode ou não fazer e falar. Sua acidez transborda em piadas críticas sobre relações sexuais desastrosas e mancadas masculinas embaladas por machismo. “Chega pro homem que tá espalhando por aí que você já deu pra todo mundo e fala pra ele: ‘Lembre-se do que sua mãe dizia, você não é todo mundo’”, diz ela em uma apresentação. As brincadeiras sérias já levaram uma fã a terminar o relacionamento tóxico após vê-la no palco.

A fama de Bruna ganhou um empurrãozinho em 2020, ao integrar a bancada de apresentadoras do humorístico A Culpa É da Carlota, do canal pago Comedy Central. Começou a lotar teatros no Brasil e acaba de fazer uma turnê pela Europa, na qual passou por Portugal e Irlanda. O sucesso, porém, não representa o fim dos preconceitos: “A gente luta o tempo inteiro contra o mito de que mulher não pode ser engraçada”. Ela é prova de que é possível superar essa barreira que não tem a menor graça.

Publicado em VEJA de 22 de junho de 2022, edição nº 2794

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Step by Step to Stand-Up Comedy
Step by Step to Stand-Up Comedy
Mais comédias para ler na escola
Mais comédias para ler na escola

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)