Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Tela Plana

Por Kelly Miyashiro Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming
Continua após publicidade

A guerra medieval pelo trono inglês que inspirou ‘A Casa do Dragão’

Período ficou conhecido como "a anarquia" e se desenrolou no início do século XII, com batalhas sangrentas e disputas familiares

Por Amanda Capuano Atualizado em 3 out 2022, 11h16 - Publicado em 3 out 2022, 11h06

Um rei de um poderoso império perde seu único filho homem e escolhe declarar uma mulher como herdeira do trono. Em um universo patriarcal, marcado pelo machismo, a decisão do monarca desagrada a corte e a população, que não aceitam a ideia de ter uma mulher como soberana. O resultado é uma guerra violenta, movida por intrigas familiares e muito sangue derramado. A trama, é claro, descreve os acontecimento de A Casa do Dragão, série derivada de Game of Thrones focada no clã Targaryen — mas também aparece nos livros didáticos de história medieval, explicando um período real que serviu de base para a ficção famosa. “Me inspiro na História e depois pego elementos que intensifico”, disse o autor George R.R. Martin, antes de afirmar que a trama da nova série é baseada em um período chamado de “a anarquia”.

Inspiração para a dança dos dragões, embate entre a fictícia família Targaryen, o conflito real aconteceu na Inglaterra, entre 1138 e 1153. Mas a sequência de tragédias começou anos antes, em 1120, quando o Rei Henry I perdeu seu único filho homem e herdeiro, William Adelin, em um naufrágio. Como a esposa de Henry havia morrido anos antes, ele decidiu nomear sua filha, a Imperatriz Matilda, como herdeira, e se casou com uma mulher muito mais jovem na esperança de ter novos herdeiros. Ao contrário do que acontece na trama ficcional, em que a personagem Alicent tem com o rei dois filhos homens, o monarca inglês não teve mais descendentes. Por isso, preparou Matilda para sucedê-lo e fez com que a corte jurasse lealdade a ela. Já adulta, ela casou-se estrategicamente com um nobre da Normandia, e teve um filho, também batizado como Henry.

Tudo parecia encaminhado, mas quando o Rei Henry morreu, em 1135, parte da nobreza rasgou o juramento de apoiar Matilda em nome das tradições. Com a herdeira afastada do trono e o apoio de gente influente, o primo de Matilda, Stephen de Blois, surrupiou o trono, dando início a uma guerra civil. Os anos que se seguiram ficaram marcados por longos cercos brutais, que causaram efeitos desastrosos para os camponeses pegos no meio do conflito. Nesse período, campos e aldeias foram abandonados, impostos arbitrários foram cobrados e as pessoas morreram de fome. Uma crônica da época relata que a população, tipicamente religiosa, sofreu tanto que dizia-se que Jesus Cristo e seus santos deviam estar adormecidos.

Outra tragédia mudou o rumo da história: o único filho de Stephen de Blois morreu inesperadamente, deixando o reino, mais uma vez, sem herdeiros. Já em idade avançada e cansados de lutar, Matilda e o primo selaram um acordo de paz: Stephen seguiria como rei, e o jovem Henry II, filho de Matilda, o sucederia. O processo não demorou muito para se concretizar. Um ano depois, Stephen faleceu, e Henry II ascendeu ao trono que governaria por 35 anos, colocando um ponto final na guerra. Se A Casa do Dragão terá o mesmo final, só o tempo (e os livros de Martin) dirá.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.