Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

‘Pout-pourri’ ou ‘pot-pourri’? Um cheiro de podre no ar

“Sou jornalista e desde que me entendo por gente sempre escrevi e li por aí a palavra francesa ‘pout-pourri’, mistura de várias músicas em sequência. Aí veio um colega mais velho e me corrigiu, dizendo que é ‘pot-pourri’! Respeito muito esse colega, que sempre me deu bons toques, mas essa eu nunca tinha ouvido! Será […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 11h03 - Publicado em 18 ago 2011, 13h08

“Sou jornalista e desde que me entendo por gente sempre escrevi e li por aí a palavra francesa ‘pout-pourri’, mistura de várias músicas em sequência. Aí veio um colega mais velho e me corrigiu, dizendo que é ‘pot-pourri’! Respeito muito esse colega, que sempre me deu bons toques, mas essa eu nunca tinha ouvido! Será que ele está certo e todo mundo errado?” (Marilza Coutinho)

Sim, o colega de Marilza está certo. A forma “pout-pourri”, que não existe nem teria como fazer sentido em sua língua original, é de longe o erro mais disseminado no Brasil entre as muitas palavras que importamos do francês.

A palavra correta é pot-pourri, de pot (pote ou panela) + pourri (podre). Segundo o Trésor de la Langue Française, surgiu em 1564 com o sentido de ragu, ensopado de carne com legumes, numa tradução literal do espanhol olla podrida, de significado idêntico.

A ideia de mistureba puxou a expansão metafórica de pot-pourri, que não demorou a adquirir a acepção de obra artística composta de trechos de outras obras. Esse salto semântico leva no mesmo dicionário as datas de 1694 para a literatura e 1711 para a música. No Brasil, o sentido que pegou foi mesmo o musical. Nas últimas décadas, pot-pourri vem sofrendo a concorrência do inglês medley.

No entanto, é difícil encontrar um brasileiro que escreva pot-pourri (pronuncia-se popurri) em vez de pout-pourri (pronuncia-se pupurri). Como será que se consolida de modo tão acachapante um erro desses, uma vez que a palavra “pout” nem existe em francês?

É um mistério. Mas eu apostaria que a explicação tem alguma coisa a ver com nossa pressa em adotar termos estrangeiros para enfeitar a linguagem, dispensando-nos do trabalho de verificar onde e como está cantando o galo. A mesma pressa que transformou o inglês making of no brasileiríssimo e absurdo making off, do qual já falei aqui na coluna.

*

Envie sua dúvida sobre palavra, expressão, dito popular, gramática etc. Toda quinta-feira o colunista responde ao leitor na seção Consultório. E-mail: sobrepalavras@todoprosa.com.br
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês