Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Sobre Palavras

Por Sérgio Rodrigues Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.
Continua após publicidade

O desastre e as estrelas

“A noite estrelada”, de Van Gogh “Culpamos por nossos desastres o sol, a lua e as estrelas, como se fôssemos vilões por necessidade…” Quando pôs essas palavras na boca do personagem Edmund na peça “Rei Lear”, William Shakespeare demonstrava – o que no seu caso estava longe de ser acidental – uma sabedoria etimológica que […]

Por Sérgio Rodrigues
Atualizado em 31 jul 2020, 07h14 - Publicado em 11 dez 2012, 14h04

“A noite estrelada”, de Van Gogh

“Culpamos por nossos desastres o sol, a lua e as estrelas, como se fôssemos vilões por necessidade…” Quando pôs essas palavras na boca do personagem Edmund na peça “Rei Lear”, William Shakespeare demonstrava – o que no seu caso estava longe de ser acidental – uma sabedoria etimológica que desde então vem se perdendo: a consciência de uma suposta relação direta (que Edmund nega) entre o desastre ocorrido aqui na terra e a configuração dos astros no céu.

Como o francês désastre e o inglês disaster, o substantivo português desastre tem como matriz um termo italiano nascido no século 14. Disastro formou-se pela junção do prefixo dis- (que no caso tem valor pejorativo) com o substantivo astro, “estrela”. Tratava-se de uma expressão literal do infortúnio provocado por uma “má estrela”, isto é, uma conjunção desfavorável dos astros.

O Merriam-Webster etimológico lembra que disaster era palavra recentíssima em inglês – tinha chegado via francês por volta de 1590 – quando foi adotada pela ousadia linguística de Shakespeare nos primeiros anos do século 17. O português, chegando na frente, já tinha registros do vocábulo no século 15, o que aponta para uma importação direta do italiano e não do francês, que só acolheu a palavra em torno de 1537.

Se o astro que mora dentro do desastre foi empalidecendo na consciência dos falantes, ainda está muito viva a crença na influência dos corpos celestes sobre a vida na terra, campo de estudo da astrologia. Isso se reflete na língua: uma das acepções do substantivo estrela no dicionário Houaiss é “influência (positiva ou negativa) que supostamente um corpo celeste pode ter sobre o destino de alguém; sorte, destino”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.