Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

O bicho-carpinteiro e a fraude do ‘corpo inteiro’

Prossegue a temporada de caça às bobagens aqui no blog. Nos últimos meses, vimos por que algumas dessas asneiras sobre a língua que falamos – mesmo difundidas com entusiasmo internet afora e até, em certos casos, em livros – são apenas isso: asneiras. Não, a expressão “cuspido e escarrado” não tem nada a ver com […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 05h02 - Publicado em 6 nov 2013, 11h39

bicho-carpinteiroProssegue a temporada de caça às bobagens aqui no blog. Nos últimos meses, vimos por que algumas dessas asneiras sobre a língua que falamos – mesmo difundidas com entusiasmo internet afora e até, em certos casos, em livros – são apenas isso: asneiras.

Não, a expressão “cuspido e escarrado” não tem nada a ver com escultura.

Não, a palavra “aluno” nunca teve o sentido de “sem luz”.

Não, “nas coxas” não guarda relação com telhas moldadas por escravos nas próprias pernas.

Não, “Quem tem boca vai a Roma” não é uma forma equivocada de compreender “quem tem boca vaia Roma”.

Acrescente-se a essa relação o caso do bicho-carpinteiro. Há mais de um século esse bichinho bate ponto na expressão “ter (ou estar com) bicho-carpinteiro”, que significa “ser muito inquieto, não parar no lugar”. Faz pouco tempo que os reformadores da fraseologia começaram a espalhar a seguinte tese fraudulenta: “O certo é ter bicho no corpo inteiro” (aqui, por exemplo).

Errado. Às vezes atribuído de forma indevida ao professor de português Pasquale Cipro Neto (veja aqui), o dislate do “bicho no corpo inteiro” parte assumidamente da ignorância de um fato básico da língua: o de que existe uma criatura chamada bicho-carpinteiro. “Mas que bicho é esse que é carpinteiro, um bicho pode ser carpinteiro???”, pergunta o falso Pasquale, que os três pontos de interrogação bastariam para denunciar.

Bicho-carpinteiro é, segundo o Houaiss, o nome popular e genérico de “diversas espécies de besouros, especialmente das famílias dos buprestídeos e cerambicídeos, que durante o estágio larvar brocam troncos e cascas de árvores”.

Como se vê, a ideia da velha expressão é propor uma metáfora: a de que, como as árvores sob a casca (foto), a pessoa irrequieta tem sob a pele as larvas desses insetos a se remexer constantemente, fazendo cócegas e não a deixando sossegada.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)