Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

Cobaia, mas pode chamar de porquinho-da-índia

A palavra “cobaia” é uma daquelas em que o sentido figurado se impôs de tal forma ao literal que grande parte dos falantes, talvez a maioria, nem sequer sabe que este existe. Substantivo feminino registrado em dicionários de português desde o início do século XIX, “cobaia” tinha – e tem – como primeira acepção a […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 02h15 - Publicado em 27 jan 2015, 15h52

porquinho-da-índiaA palavra “cobaia” é uma daquelas em que o sentido figurado se impôs de tal forma ao literal que grande parte dos falantes, talvez a maioria, nem sequer sabe que este existe.

Substantivo feminino registrado em dicionários de português desde o início do século XIX, “cobaia” tinha – e tem – como primeira acepção a de “porquinho-da-índia” (Cavia porcellus), pequeno roedor nativo da América do Sul que acabaria ganhando o mundo como animal doméstico.

A origem provável da palavra é o termo indígena çabujê, “rato que se come” (o porquinho-da-índia era uma iguaria muito apreciada pelos índios brasileiros). Os portugueses o transcreveram como çabuja, que no latim científico acabou virando cobaya.

A palavra latina passou também ao francês cobaye, nome menos usado do bichinho popularmente conhecido como cochon d’Inde. O espanhol registra conejillo de Indias (“coelhinho das Índias”) e o inglês, guinea pig (“porco da Guiné”).

É impossível compreender toda essa variedade sem os mal-entendidos geográficos que são comuns na história das palavras. A Guiné pode ter entrado na dança por um erro na interpretação da palavra “Guiana” ou devido às rotas triangulares (América do Sul-África-Europa) dos navios comerciais que introduziram a cobaia na Inglaterra – os estudiosos se dividem sobre isso.

Quanto à Índia, basta lembrar que o Novo Mundo teve durante muito tempo na Europa o nome de Índias Ocidentais, em que o adjetivo “ocidentais” corrigia – sem apagá-lo por completo – o equívoco geográfico original cometido por Cristóvão Colombo ao chegar por aqui. A palavra “índio” para designar o americano nativo tem a mesma explicação.

Muito usado em experimentos científicos, sobretudo na pesquisa de vacinas, o simpático animalzinho passou nas primeiras décadas do século XX, em todas as línguas mencionadas acima, a emprestar seu nome a “qualquer animal ou pessoa que seja objeto de experiências”. A data para o surgimento dessa acepção figurada em português é obscura. Em inglês, segundo o dicionário de Douglas Harper, seu primeiro registro é de 1920.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês