Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Política com Ciência Por Sérgio Praça A partir do que há de mais novo na Ciência Política, este blog do professor e pesquisador da FGV-RJ analisa as principais notícias da política brasileira. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Como a PEC do Voto Aberto melhorou o Brasil

É fácil ser pessimista com política no Brasil. Com razão. Não é qualquer país que consegue o feito de combinar grave crise econômica, escândalos de corrupção e prisão de políticos e empresários relevantes no mesmo ano. Delcídio Amaral (PT-MS) (recuso-me a colocar o “do” no nome dele) e o banqueiro André Esteves são apenas os […]

Por Sérgio Praça Atualizado em 31 jul 2020, 00h01 - Publicado em 26 nov 2015, 20h59

É fácil ser pessimista com política no Brasil. Com razão. Não é qualquer país que consegue o feito de combinar grave crise econômica, escândalos de corrupção e prisão de políticos e empresários relevantes no mesmo ano. Delcídio Amaral (PT-MS) (recuso-me a colocar o “do” no nome dele) e o banqueiro André Esteves são apenas os mais recentes a serem levados pela Polícia Federal para a cadeia.

Só este fato – políticos e empresários desonestos serem presos – já bastaria para eu ficar otimista. Mas a noite ontem foi ainda melhor. Por 50 votos a 13, os senadores optaram por manter Delcídio Amaral na cadeia, obedecendo, assim, a ordem do Supremo Tribunal Federal. [Votaram a favor de Amaral os seguintes senadores: Telmário Mota (PDT-RR), João Alberto Souza (PMDB-MA), Renan Calheiros (PMDB-AL), Roberto Rocha (PSB-MA) e os petistas Angela Portela (PT-RR), Donizeti Nogueira (PT-TO), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Humberto Costa (PT-PE), Jorge Viana (PT-AC), José Pimentel (PT-CE), Lindbergh Farias (PT-RJ), Paulo Rocha (PT-PA) e Regina Sousa (PT-PI). Edison Lobão (PMDB-MA) absteve-se.]

A votação aberta, na qual todos os senadores têm que registrar publicamente sua posição, só foi possível por causa de uma emenda constitucional, aprovada no fim de 2013, que proíbe votações secretas. Trata-se de um avanço institucional que se soma a muitos outros dos últimos 25 anos no combate à corrupção (veja, aqui, um artigo meu e de Matthew Taylor e outro, de Izabela Corrêa, Mariana Mota Prado e Lindsey Carson, aqui, sobre este assunto). Lentamente, os resultados acumulados pintam um novo cenário político no país.

Faz sentido que parlamentares limitem suas possibilidades para agir de modo contrário ao interesse público, como no caso de votações secretas? Sim, se considerarmos que os únicos interesses que motivam deputados e senadores são os pela reeleição, por acesso a postos de poder institucionais e pela continuidade de suas organizações partidárias. Afinal, algumas medidas impopularíssimas que, se feitas por votação aberta, tornam-se inviáveis (como manter um corrupto na cadeia), podem avançar esses três interesses.

Mas, como Eric Schickler lembra, parlamentares não pensam apenas no curto prazo. Eles têm que pertencer a uma instituição relativamente prestigiosa. Livrar corruptos da cadeia abalaria isso. É preciso, então, formalizar mecanismos institucionais que desincentivem esse comportamento – mesmo quando ele é tentador (como no caso de senadores que temem, também, ser presos). A PEC do Voto Aberto é um excelente exemplo. Veio para ficar.

(Entre em contato pelo meu site pessoal, Facebook e Twitter)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês