Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Rio Grande do Sul Por Veja correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens gaúchos. Por Paula Sperb, de Porto Alegre

Rede busca candidatos de ‘fora da política’ para 2018 no RS

Partido tem 30% de “vagas” para candidatos independentes que procuram uma legenda para viabilizar candidatura

Por Paula Sperb 31 out 2017, 21h29

Enquanto a candidatura de Marina Silva à Presidência segue indefinida e até o nome do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Carlos Ayres Britto passou a ser cogitado pelos correligionários como candidato, a Rede Sustentabilidade do Rio Grande do Sul está em busca de um candidato “de fora da política” para concorrer ao governo gaúcho. A Rede também está conversando com juristas, ativistas e artistas para candidaturas ao legislativo estadual e federal.

“Ainda estamos tentando achar um nome de fora da política (para concorrer ao governo gaúcho). O estatuto da Rede aposta também nas candidaturas cívicas, independentes. Tanto que protocolei uma PEC de candidaturas independente sem filiação partidária. A Rede tem uma reserva de 30% de vagas para candidaturas ao legislativo e vamos abrir também ao executivo a possibilidade das candidaturas cívicas”, disse a VEJA o deputado federal João Derly (Rede-RS), durante o encontro estadual dos seu partido, realizado no último sábado, em Porto Alegre.

O próprio Derly é de “fora da política”. Campeão de mundial de judô, ele venceu sua primeira eleição em 2012, com 14 mil votos para vereador de Porto Alegre, então pelo PCdoB. “Fazemos políticas em todas áreas da nossa vida. A tua causa, aquilo que tu acredita pode colocar dentro da política”, defende Derly, ao criticar o monopólio dos partidos políticos no processo eleitoral. Recentemente, o advogado gaúcho Rodrigo Mezzomo denunciou o Brasil à OEA por obrigar que candidatos sejam filiados a partidos.

Se a Rede não encontrar seu “candidato de fora” ideal para concorrer ao governo do Rio Grande do Sul, atualmente sob o comando de José Ivo Sartori (PMDB), deve fazer aliança com outros partidos. “Já há conversa com outros partidos também. Estamos indo numa linha mais de centro, fugindo dos extremos tanto de esquerda quanto de direita”, explica o deputado federal.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)