Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Rio Grande do Sul

Por Veja correspondentes
Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens gaúchos. Por Paula Sperb, de Porto Alegre
Continua após publicidade

Escritora Clara Averbuck relata estupro por motorista da Uber

Empresa informou que o motorista responsável foi banido e que repudia qualquer tipo de violência contra mulheres

Por Paula Sperb
Atualizado em 28 ago 2017, 16h24 - Publicado em 28 ago 2017, 15h18

“Virei estatística de novo”, escreveu a escritora gaúcha Clara Averbuck, de 38 anos, relatando ter sido estuprada por um motorista da Uber, em São Paulo. “O nojento do motorista do Uber [sic] aproveitou meu estado, minha saia, minha calcinha pequena e enfiou um dedo imundo em mim, ainda pagando de que estava ajudando ‘a bêbada’”, contou sobre o episódio no seu perfil do Facebook. No Brasil, a cada hora ocorrem cinco estupros segundo estudo do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Procurada por VEJA, a empresa afirmou que baniu o motorista responsável. “A Uber repudia qualquer tipo de violência contra mulheres. O motorista parceiro foi banido e estamos à disposição das autoridades competentes para colaborar com as investigações. Acreditamos na importância de combater, coibir e denunciar casos de assédio e violência contra a mulher”, afirmou a empresa em nota. A escritora escreveu em seu Twitter que a Uber já entrou em contato com ela.

A empresa de transporte contabiliza 15 milhões de usuários mensalmente ativos no Brasil. O serviço está disponível em 70 cidades, incluindo todas as capitais. São Paulo é a cidade que mais faz viagens através da Uber no mundo.

“Estou com o olho roxo e a culpa de ter bebido e me colocado em posição vulnerável não me larga. A culpa não é minha. Eu sei. A dor, a raiva e a impotência também não me largam. Estou falando tudo isso para que todas as que me leem saibam que pode acontecer com qualquer uma, a qualquer momento, e que o desamparo e o desespero são inevitáveis. O mundo é um lugar horrível para ser mulher”, escreveu Clara.

A escritora escreveu que ainda está avaliando se registrará o caso na polícia. “Estou decidindo se quero me submeter à violência que é ir numa delegacia da mulher ser questionada, já que a violência sexual é o único crime que a vítima é que tem que provar. Não quero impunidade de criminoso sexual, mas também não quero me submeter à violência de Estado. Justamente por ter levado tantas mulheres na delegacia é que eu sei o que me espera”, argumentou.

Continua após a publicidade

“Fui violada de novo, violada porque sou mulher, violada porque estava vulnerável e mesmo que não estivesse poderia ter acontecido também”, desabafou a escritora ao relembrar um estupro sofrido na adolescência.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.