Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Continua após publicidade

Na briga com Lula, não são os brasileiros que Lira defende

A disputa entre o presidente da Câmara e o da República é desigual, mas o segundo está fraco por sua própria culpa

Por Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 6 fev 2024, 12h34 - Publicado em 6 fev 2024, 12h27

“O orçamento pertence a todos e a todas, não só ao Executivo”, proclamou o presidente da Câmara, Arthur Lira em duro discurso na abertura do ano Legislativo.

Tem razão o nobre deputado. O orçamento, que é realizado integralmente com receitas que provêm do bolso dos pagadores de impostos, pertence a todos os brasileiros. Óbvio.

Diferentemente do que tenta fazer crer, no entanto, não é o interesse dos brasileiros que o deputado defende. Os brasileiros têm muitos interesses, como não permitir o estouro do orçamento, defender a responsabilidade fiscal, manter a governabilidade, garantir que o governo federal tenha verbas para infraestrutura. E até reduzir o custo e o poder dos parlamentares, que Bolsonaro extrapolou.

Já os interesses de Lira são recuperar os R$ 5,6 bilhões em emendas de comissão (que Lula vetou), a serem usados na campanha eleitoral; derrubar o articulador do governo, Alexandre Padilha (que, dependendo do ponto de vista, ou é pouco hábil ou acomoda pouco); e aumentar o próprio poder (que já é excessivo). São esses interesses que ele defende.

Continua após a publicidade

A tática de Lira não é muito diferente da de Bolsonaro. Ele avança, passa do limite, cria uma crise, e depois recua — mas nunca volta ao ponto em que estava antes. E funciona tão bem quanto a do ex-presidente, por sinal.

Lira é o maior obstáculo que Lula tem: se o presidente resiste, não consegue governar; se cede, Lira governa por ele. É uma espécie de parlamentarismo torto: Lira tem a autoridade, mas a responsabilidade sobre as consequências é de Lula. Para escapar dessa armadilha, Lula teria que ter amplo apoio no Congresso, mas, para isso, precisaria ter um plano de governo claro e compartilhar o poder com as forças democráticas que o subscrevessem. O que faz é o oposto disso.

Lula não tem plano de governo nem objetivo claro a ser alcançado. O que anuncia soa como reprise das políticas desenvolvimentistas e fiscalmente irresponsáveis que levaram o país à bancarrota, Dilma ao impeachment, a Petrobras ao petrolão e Lula à cadeia. E, se defende a gastança no governo, com que autoridade pode pedir ao Congresso que corte despesas?

Continua após a publicidade

Todos os ministros ou são do PT (e suas linhas auxiliares) ou são do Centrão. As exceções são Marina, sob ataque no próprio governo, e Simone, responsável por uma pasta pouco visível. Fernando Haddad, que busca manter os gastos sob controle, é perseguido por seu próprio partido e sabotado pelo chefe.

A política externa é de hostilização de democracias e aproximação com ditaduras. Lula investe no confronto, na radicalização e na polarização. E constrange até a própria esquerda: nomeia conservadores porque são seus amigos e esnoba minorias (até piada racista fez).

Quem se anima a apoiar Lula contra Lira nessas circunstâncias?

Continua após a publicidade

(Por Ricardo Rangel em 06/02/2024)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.