Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Ricardo Rangel

Federar não é um meio de sobreviver

A única coisa que diferencia federação de fusão são alguns poucos anos

Por Ricardo Rangel Atualizado em 27 jan 2022, 08h39 - Publicado em 26 jan 2022, 21h21

Ninguém discorda de que é impossível ter uma democracia funcional com 25 partidos no Congresso Nacional.

A cláusula de barreira promete botar ordem na bagunça: com ela, o partido só terá representação se tiver 2% dos votos válidos ou eleger no mínimo 11 deputados federais distribuídos por pelo menos 9 estados. Quem tiver pouca representatividade, que se funda com partidos similares para ganhar corpo. Ou se transforme em uma corrente de um partido maior. Ou desapareça. É a vida.

Para reduzir o (brutal) impacto da cláusula de barreira, inventou-se algo chamado “federação” de partidos. Partidos que se federarem lançarão candidatos na mesma nominata e terão que operar como se fossem um partido só durante quatro anos.

Se o STF não mudar a decisão do ministro Luiz Roberto Barroso, o prazo para o anúncio de federações é abril, motivo pelo qual a negociação entre partidos está fervendo. Há muita gente tratando a federação como uma tábua de salvação que garanta a sobrevivência dos partidos menores.

Há quem suponha que será possível federar e manter a identidade do partido nesses quatro anos vindouros. Ou que quem é pequeno pode se tornar maior e ficar novamente autônomo a partir de 2026.

É uma ilusão.

Partido pequeno que não se fundir ou federar agora, vai desaparecer já em outubro (é o risco que correm o PSOL ou a Rede, por exemplo). Partido pequeno ou médio que se federar com partido grande, tem que saber que vai ser engolido pelo grande em poucos anos (é o risco que corre o PSB na federação com o PT, por exemplo).

Partido pequeno que se orgulha de ter identidade e coerência ideológica, se quiser manter suas bandeiras vivas, tem que federar com outros partidos pequenos dentro do entendimento de que a fusão é inevitável. E passar os próximos anos negociando para alcançar um desenho de partido em que suas bandeiras não se tornem apêndices.

Qualquer coisa fora disso é autoengano.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês