Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Pela 1ª vez, Argentina elegerá presidente em 2º turno; eleição pode derrotar também Lula, Evo e Maduro

Cristina sofre duas derrotas: seu candidato obtém votação bem abaixo do que apontavam pesquisas, e província de Buenos Aires dá vitória à oposição

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 00h14 - Publicado em 26 out 2015, 04h51

 

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, sofreu duas derrotas importantes nas eleições deste domingo — e também perderam as pesquisas de intenção de votos, que davam até 10 pontos de vantagem para o governista Daniel Scioli, da Frente para a Vitória. No dia 22 de novembro, pela primeira vez na história, os argentinos vão decidir em segundo turno quem vai presidir o país.

Com 90% dos votos apurados, enquanto escrevo, Scioli está com 36,1%, contra 34,9% do oposicionista Mauricio Macri, da frente “Mudemos”. Só para lembrar: na Argentina, vence no primeiro turno o candidato que obtiver mais de 45% dos votos ou mais de 40% desde que com uma distância de 10 pontos percentuais para o segundo lugar.

Em terceiro, está Sergio Massa, do Unidos por uma Nova Argentina. Trata-se de um ex-kirchnerista — chegou a ser ministro por um ano do primeiro governo de Cristina, mas rompeu com ela. Ele obteve expressivos quase 22% dos votos, que serão agora disputados pelos dois líderes. No discurso em que reconheceu a derrota, deu sinais de que vai trabalhar contra Scioli, candidato oficial.

A presidente também amargou uma derrota para o governo de Buenos Aires: a candidata de oposição María Eugenia Vidal, do Mudemos, venceu o governista Aníbal Fernández. Nota: ela vai substituir justamente Scioli, o presidenciável.

Continua após a publicidade

Com 91% dos votos apurados, María Eugenia estava com 39,6%, contra 34,9% do governista. Nesse caso, não há segundo turno, e vence a eleição quem obtiver o maior número de votos. Embora Fernández não houvesse reconhecido a derrota até esta madrugada, não havia mais chance de virada.

A imprensa argentina acompanhava com enorme surpresa a apuração, com a realidade desmentindo de forma cabal as pesquisas. Até 1h da manhã, Macri, que era tido como derrotado no primeiro turno, liderava as apurações. Só depois Scioli passou à frente. Mas por pequena margem.

O escrutínio deste domingo  vai renovar também metade da Câmara dos Deputados e um terço do Senado.

A realidade argentina tem peculiaridades que, de fato, nos são estranhas. Os três candidatos que chegam à frente são, a seu modo, de extração peronista. A tradicional União Cívica Radical, que conta com 335 prefeitos, sem um grande líder que unifique o partido, resolveu apoiar Macri, hoje prefeito de Buenos Aires.

Derrotar Cristina Kirchner é derrotar um misto de estatismo e populismo autoritário que, nos últimos anos, avançou contra a liberdade de imprensa, contra os direitos individuais e, sobretudo, contra a racionalidade da economia.

Ah, sim, não custa lembrar: Luiz Inácio Apedeuta da Silva, Evo Morales e Nicolás Maduro fizeram campanha por Scioli. Isso, de algum modo, diz bem que luta se trava na Argentina.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)