Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Os ônibus e o escandaloso oportunismo de Haddad

Ainda não tenho claro qual aspecto da personalidade política do prefeito Fernando Haddad, do PT, é mais deletério para a cidade: sua espantosa incompetência, que o faz, até agora, colher sempre resultados contrários ao pretendido; seu pendor autoritário, que o leva a radicalizar uma medida quanto mais equivocada ela se mostra — é o doido […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 04h33 - Publicado em 30 jan 2014, 15h31

Ainda não tenho claro qual aspecto da personalidade política do prefeito Fernando Haddad, do PT, é mais deletério para a cidade: sua espantosa incompetência, que o faz, até agora, colher sempre resultados contrários ao pretendido; seu pendor autoritário, que o leva a radicalizar uma medida quanto mais equivocada ela se mostra — é o doido que dobra a dose do remédio para diminuir os efeitos colaterais; ou seu espantoso oportunismo, tentando usar dificuldades que são de todos para faturar politicamente.

Há uma onda de incêndios a ônibus na cidade. O crime organizado certamente tem a sua parcela de responsabilidade, mas a causa, entendo, é outra: respira-se um clima de impunidade no país; confunde-se banditismo com reivindicação; delinquência com militância. A Secretaria de Segurança Pública do Estado tem de dar uma resposta? Certamente.

E não só nesse caso. Querem outro exemplo? Desde a campanha eleitoral, Haddad prometeu entregar parte do programa de habitação da cidade a movimentos de sem-teto, que ajudaram a fazer a sua campanha. Ele venceu e, de fato, divide hoje com entidades de caráter privado, disfarçadas de ONGs, o programa de moradia. Só que elas não estão contentes. Querem mais. E saem por aí obstruindo vias e estradas. A quem cabe manter a ordem pública que Haddad ajudou a depredar? À Secretaria de Segurança. Depois a polícia apanha dos nefelibatas do socialismo rosa-chique da imprensa.

Dou outro exemplo. Haddad criou a Haddadolândia, ex-Cracolândia, uma zona livre para o consumo e o tráfico de drogas. É evidente que isso passa a movimentar os fornecedores, que atuam no próprio local e adjacências. Aumenta a tensão na área de segurança. Chame-se a polícia, que depois leva porrada dos “consumidores recreativos” de maconha…

Nesta quinta, Haddad afirmou que cabe ao estado manter a segurança dos ônibus. É… Mas não dará para botar um policial em cada veículo. Ainda que desse, de pouco adiantaria. A turma ataca em bando. Os ônibus não são escolhidos por acaso: além da visibilidade, parece óbvio que existe algum descontentamento com o sistema.

Alguém na posição de Haddad deveria lamentar o ocorrido, fazer um chamamento à ordem e prometer atuar em parceria com o governo do estado. Mas ele é petista e tem uma natureza. E a natureza do petismo é explorar as misérias humanas, quaisquer que sejam elas.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês