Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

NASSIF, O BANANA

Leitores de Luiz Nassif – há gosto pra tudo – me enviam cópias de um dos trabalhos porcos que lhe caem tão bem. Este inacreditável senhor pegou uma reportagem do Estadão e foi fazendo intervenções no meio do texto, no que seria uma suposta interpretação da reportagem. Tenta dar a entender que o texto faz […]

Por Reinaldo Azevedo
Atualizado em 31 jul 2020, 18h33 - Publicado em 21 nov 2008, 16h24
Leitores de Luiz Nassif – há gosto pra tudo – me enviam cópias de um dos trabalhos porcos que lhe caem tão bem. Este inacreditável senhor pegou uma reportagem do Estadão e foi fazendo intervenções no meio do texto, no que seria uma suposta interpretação da reportagem. Tenta dar a entender que o texto faz referências a mim e a Diogo Mainardi. Pobre diabo! Se vocês derem a Bíblia para Nassif interpretar, ele transformará Cristo num bandido e vai glorificar os que o crucificaram. Nassif é o mundo pelo avesso.

Por que tanto ódio de Diogo Mainardi e de Reinaldo Azevedo? Simples: nós dissemos quem ele realmente é. E até quem ele era. Dono de uma coluna na Folha de S. Paulo, era tido como especialista em economia e escondia seu analfabetismo, hoje evidente, no trabalho de bons revisores. Foi demitido do jornal pelos motivos expostos abaixo, numa coluna de Diogo. Não só isso: suposto especialista em economia, conselheiro do empresariado, quebrou e hoje vive da boa-vontade do BNDES. Sim, leitor, aquele banco de que você também é dono. Você, veja só, ajuda Luis Nassif a freqüentar bons restaurantes.

Mas a verdade é a verdade. Como diria Chico Buarque, o amigo dos petralhas, “de muito gorda, a porca já não anda”. Nassif acabou. Os policiais federais, os de agora e os de antes, sabem que eu ou Mainardi nada temos com Dantas. Mas poderá Nassif dizer o mesmo de Luiz Roberto Demarco? O empresário inimigo do banqueiro até serve de testemunha de Nassif nos processos que este responde na Justiça. Uma rápida pesquisa na Internet vai lhes fornecer as devidas informações sobre essa intimidade.

Estou fora de São Paulo. Na segunda-feira, publico os e-mails em que a empresa de Nassif diz o preço da “cota” que deveria ser paga por Saulo de Castro para que este desse uma palestra num seminário organizado pelo agora ex-jornalista. A história está contada na coluna abaixo, de Diogo. Nassif correu atrás do desmentido oficial da Folha. Não conseguiu. Ainda que, por piedade, viesse ou venha a obtê-lo, o jornal inteiro sabe por que ele caiu.

Desmoralizado, resta-lhe agora este trabalho: ficar desfilando com Demarco para cima e, sobretudo, para baixo.
*
Nassif, o banana

Continua após a publicidade

“Luis Nassif foi demitido da Folha pela suspeita de ter usado seus artigos no jornal para achacar o governo de Geraldo Alckmin. Falei sobre o episódio com o diretor da Folha. Ele confirmou. Com a carreira arruinada, Luis Nassif refugiou-se na internet, como Mengele em Bertioga”

Eu sou lobista de Daniel Dantas. É o que diz o blogueiro Luis Nassif. Como foi que eu ajudei Daniel Dantas? Acusando-o de ter financiado Lula. E também acusando Naji Nahas de ter financiado Lula. O fato de eu ter publicado uma série de documentos judiciais sobre Naji Nahas e a Telecom Italia me incrimina, segundo Luis Nassif. Entende-se: em meu lugar, ele teria picotado e obedientemente engolido esses documentos, que denunciam as ilegalidades cometidas pela empresa e pelo governo. Quem patrocina o site de Luis Nassif? A Telecom Italia. Quem impediu que ele falisse e perdesse até as cuecas? O BNDES.

Eu já ridicularizei Luis Nassif três anos atrás, demonstrando que ele reproduziu integralmente em sua coluna a nota de um lobista ligado a Luiz Gushiken. Ele foi demitido da Folha de S.Paulo pouco tempo depois, por causa de um fato ainda mais nauseabundo: a suspeita de ter usado seus artigos no jornal para achacar o governo de Geraldo Alckmin. Em 2004, Luis Nassif convidou o secretário Saulo de Castro para um fórum de debates organizado por sua empresa, Dinheiro Vivo. O detalhe sórdido era o seguinte: para o secretário poder participar do evento, o governo paulista teria de desembolsar 50.000 reais. Saulo de Castro negou o pedido.

Continua após a publicidade

Em 2005, Luis Nassif voltou à carga, cobrando uma tarifa ligeiramente mais modesta, de 35.000 reais. A assessora de Saulo de Castro mandou um e-mail para o chefe com este comentário: “Não é à toa que a empresa se chama Dinheiro Vivo”. Saulo de Castro negou o pedido mais uma vez. Luis Nassif decidiu retaliar. Em sua coluna, passou a atacar sistematicamente o governo Alckmin, em particular o secretário Saulo de Castro. Quando o diretor da Folha de S.Paulo, Otavio Frias Filho, foi informado das suspeitas em torno de Luis Nassif, demitiu-o imediatamente. Nesta semana, falei sobre o episódio com Otavio Frias Filho. Ele confirmou.

Com a carreira no jornalismo arruinada, Luis Nassif refugiou-se na internet, onde seu passado era desconhecido, como o de Mengele em Bertioga. O bando de Luiz Gushiken arranjou-lhe uma sinecura no iG. Enquanto fazia um blog para meia dúzia de leitores, ele era obrigado a escapar de seus credores no BNDES, que queriam penhorar seus carros e apartamentos para tentar recuperar uma parte do rombo de 4 milhões de reais da Dinheiro Vivo. No fim de 2007, depois de um misterioso encontro com a diretoria do BNDES, ele conseguiu fechar um acordo judicial altamente lesivo para o banco, que lhe garantiu os seguintes mimos: o abatimento de 1 milhão de reais de sua dívida, o prazo de dez anos para saldá-la, a retirada de todas as garantias para o pagamento do empréstimo e a dispensa de uma multa de 300.000 reais. Algumas semanas depois, ele retribuiu a generosidade estatal usando o único método que conhece: uma campanha de mentiras descaradas contra mim e contra VEJA, tidos como inimigos do governo.

Luis Nassif é um banana. Ninguém dá bola para ele. Por isso mesmo, minha idéia era persegui-lo apenas judicialmente. De fato, estou processando o iG. Tenho uma tonelada de mensagens, documentos e testemunhas que desmoralizam toda a imundície publicada em seu blog. Mas suas calúnias ganharam outro peso depois que Daniel Dantas e Naji Nahas foram presos. Claramente, o pessoal que o emprega está preocupado com o rumo que esse inquérito pode tomar. Há um empenho para impedir que os dois sejam associados a Lula, como eu sempre fiz. Quando Daniel Dantas e Naji Nahas foram presos, eu comemorei. Luis Nassif deve ter pensado em todos os documentos que terá de picotar e engolir. E em todos os patrocinadores que poderá ganhar.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.