Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Mendes diz que se fez confusão entre governo e campanha eleitoral e alerta o risco de “laranjal” no sistema de doações

Gilmar Mendes, ministro do STF e vice-presidente do TSE, falou em São Paulo num seminário sobre a crise política, organizado pela OAB. Segundo a Folha, o ministro afirmou que houve, na gestão Dilma, “uma confusão entre governar e fazer campanha eleitoral”. Exato! Mendes citou um caso que vivo lembrando aqui: o gasto escandaloso com o […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 00h29 - Publicado em 14 set 2015, 16h40

Gilmar Mendes, ministro do STF e vice-presidente do TSE, falou em São Paulo num seminário sobre a crise política, organizado pela OAB. Segundo a Folha, o ministro afirmou que houve, na gestão Dilma, “uma confusão entre governar e fazer campanha eleitoral”.

Exato! Mendes citou um caso que vivo lembrando aqui: o gasto escandaloso com o Fies, o sistema de financiamento de ensino superior. Disse ele: “A gente percebe que o programa de governo estava associado a um programa eleitoral, medidas que eram tomadas com objetivo eleitoral”.

Querem a evidência em números?  Entre 2010 e 2013 — quatro anos —, o governo federal desembolsou R$ 14,7 bilhões com o programa. Só em 2014, quando Dilma disputou a reeleição, foram R$ 13,75 bilhões. Ou seja: torrou em um ano o que se havia gastado em quatro. E depois a gente pergunta por que o país quebrou.

O ministro faz outra indagação: “Como você pede sacrifício [aumento de impostos], quando as pessoas acham que houve gastos excessivos, demasiados e sem controle? Quando as pessoas acham que há uma prática sistêmica de corrupção?”. E conclui: “Então há uma crise de legitimidade. Esse é o debate que nós estamos vivendo”.

Ele se mostra otimista sobre os desdobramentos da crise: “O Brasil passou por vários momentos difíceis e sempre atravessou via uma engenharia institucional, a habilidade de seus políticos”, disse. “Espero que nós tenhamos essa habilidade.”

Continua após a publicidade

Laranjal
Mendes criticou duramente a proposta de proibir as empresas de financiar campanhas eleitorais, permitindo que as doações privadas sejam feitas apenas por pessoas físicas. Segundo o ministro, isso criaria um verdadeiro “laranjal” de doadores, numa referência à gíria empregada para definir pessoas que são usadas para operações financeiras ilícitas: “laranjas”.

Ora, como isso seria feito? Simples como dois mais dois são quatro. Partidos conseguiriam recursos não declarados de empresas e depois procederiam a um rateio entre centenas ou até milhares de pessoas, que emprestariam seus respectivos CPFs para justificar a entrada em caixa do dinheiro. Ou por outra: a proibição da doação daria ensejo, aí sim, a um sofisticado mecanismo de fraude do financiamento de campanha, que a Justiça Eleitoral não teria condições de combater.

A questão, como se sabe, ainda está em julgamento no Supremo. A OAB, que promove o seminário no qual falou o ministro, é autora da Ação Direta de Inconstitucionalidade que pretende que o tribunal declare que o financiamento de campanha por empresas agride o texto constitucional.

A questão está em debate também no âmbito da reforma política. O Congresso aprovou por legislação ordinária a doação de empresas até o limite de R$ 20 milhões, desde que o montante não ultrapasse 2% de faturamento da empresa. O Senado havia vetado essa modalidade do doação, mas os deputados derrubaram a restrição imposta pelos senadores.

Também está no Senado PEC já aprovada na Câmara que constitucionaliza as doações — este, sim, o caminho mais seguro para evitar a aprovação de tolices que jogariam a campanha eleitoral na clandestinidade.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)