Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

HOJE, NA LIVRARIA CULTURA, ÀS 19h – Carlos Marchi lê e relê Carlos Castello Branco, o mestre da crônica política

Leitores deste blog, Tenho um convite irrecusável a fazer aos que apreciam o texto e o jornalismo de excelência: comparecer nesta segunda à Livraria Cultura, da Paulista, para o lançamento de “Todo Aquele Imenso Mar de Liberdade” (Editora Record), o livro que narra a trajetória de um dos maiores jornalistas políticos do país: Carlos Castello […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 01h42 - Publicado em 6 abr 2015, 02h28

Convite Castelinho Carlos Marchi

Leitores deste blog,

Tenho um convite irrecusável a fazer aos que apreciam o texto e o jornalismo de excelência: comparecer nesta segunda à Livraria Cultura, da Paulista, para o lançamento de “Todo Aquele Imenso Mar de Liberdade” (Editora Record), o livro que narra a trajetória de um dos maiores jornalistas políticos do país: Carlos Castello Branco, o Castelinho (1920-1993). Quem se ocupa da tarefa é Carlos Marchi, outro que sabe se tratar uma narrativa tendo a “Inculta & Bela” como sua inevitável aliada.

Castelinho, nascido em Teresina e mineiro de formação, começou a carreira em Belo Horizonte, mas se tornou jornalista político no Rio, onde trabalhou em O JornalDiário CariocaTribuna da Imprensa e O Cruzeiro. Na segunda metade dos anos 50, foi articulista da Folha, que publicava suas colunas na primeira página. Mudou-se para Brasília em 1961, arrastado por José Aparecido de Oliveira, para ser porta-voz de Jânio Quadros, cargo que o obrigou a deixar todos os jornais para os quais trabalhava. Depois da renúncia, migrou para o JB e lá ficou até o fim.

O jornalista que tinha um apreço quase opressivo pelos fatos pertencia, originalmente, ao grupo que gostava mesmo de ficção: a “Turma de Minas”, que reunia Otto Lara Resende, Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos e Hélio Pellegrino. Castelinho queria ser romancista, ensaiou algumas coisas no terreno da imaginação, mas talvez estivesse preso demais às circunstâncias terrenas. E delas tratou com maestria, driblando duas ditaduras, a do Estado Novo e a militar. Chegou à Academia Brasileira de Letras. E foi a sua crônica política que o conduziu até lá.

Continua após a publicidade

Marchi faz a costura exata — um tributo à exatidão do biografado — entre a personagem e o país no qual se movia. Ao tratar com cuidado e precisão do homem e de suas circunstâncias, tem-se o perfeito registro do espírito de um tempo: sem mistificações, sem condescendência, sem moralismo barato.

Sabemos, hoje, leitores, o que é escrever num regime de plenas liberdades. Castelinho foi mestre quando era preciso sugerir, dar a entender, aludir. E ele o fazia, leiam o livro, sem perder a objetividade e sem se deixar levar pela paixão, embora, claro!, as tivesse. Era, por formação e convicção, um liberal. O trabalho que o levou à Academia também o levou algumas vezes à cadeia.

O trecho mais terno e sugestivo do livro passa um tanto longe do jornalismo e trata da sua briga — e rompimento — com Carlos Drummond de Andrade, em 1947. Os dois ficaram sem se falar com a década de 70, quando voltaram a se aproximar, construindo, então, na velhice uma invejável fraternidade.

O último terço de sua vida foi marcado por uma dor sem remédio: a morte de seu primogênito, Rodrigo, aos 25 anos, num acidente de automóvel em Brasília, em circunstâncias não muito claras. A roda de seu carro soltou-se. Castelinho passou a conviver com o fantasma da possibilidade de Rodrigo ter sido assassinado pelo SNI. A tragédia e a desconfiança não mudaram a objetividade de suas colunas, mas envenenaram a sua vida. O álcool passou a ser, então, um companheiro pouco recomendável para quem já tinha uma saúde frágil.

Nada, no entanto, tisna a grandeza do mestre da crônica e da análise políticas. Era informativo, elegante e preciso. Como o livro escrito por Carlos Marchi.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês