Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Dirceu, o “chefe de quadrilha”, segundo PGR, participa de seminário Brasil-China e exibe seu lado vivandeira

Ai, ai… Sabem quem a Câmara de Comércio Brasil-China convidou para um seminário? O consultor de empresas privadas e, segundo a Procuradoria Geral da República, corrupto e chefe de quadrilha José Dirceu. Era um encontro para debater petróleo. Sei. O Zé sabe tudo sobre o assunto. O que ele não sabe, José Sérgio Gabrielli, presidente […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 10h47 - Publicado em 14 set 2011, 06h33

Ai, ai…

Sabem quem a Câmara de Comércio Brasil-China convidou para um seminário? O consultor de empresas privadas e, segundo a Procuradoria Geral da República, corrupto e chefe de quadrilha José Dirceu. Era um encontro para debater petróleo. Sei. O Zé sabe tudo sobre o assunto. O que ele não sabe, José Sérgio Gabrielli, presidente da Petrobras, explica pra ele no escurinho do hotel.

O homem rasgou elogios à China — segundo ele, o grande “fator de moderação no mundo”. Compreendo. É claro que, ao pensar num regime à moda chinesa, o cara logo se imagina como um dos chefões do partido, né?, comandando a tirania. Pois é. Mas também poderia ser candidato a uma bala de prata. Vocês sabem como são as ditaduras…

O Zé também decidiu expor seu lado vivandeira e fez uma defesa veemente de mais investimentos nas Forças Armadas. Quer o Brasil fabricando mísseis de defesa. Leiam trecho de reportagem de Sérgio Torres, no Estadão:
*
O ex-ministro José Dirceu cobrou ontem do governo da presidente Dilma Rousseff mais investimento nas Forças Armadas. Ele defendeu a modernização do Exército e da Marinha. Disse ainda que o Brasil precisa fabricar “mísseis de defesa” e voltar a produzir caças de guerra para a frota da Aeronáutica.
(…)
“A indústria de defesa nacional está sendo recriada. Temos de ter uma defesa própria regional do Atlântico Sul. Temos de proteger nossa riqueza do pré-sal com uma Marinha em águas azuis. Temos de ter Força Aérea produzindo caças no Brasil. Tem tecnologia para produzir não só aviões, como mísseis de defesa”, discursou o ex-ministro, para cerca de 200 conferencistas, do quais 80% estrangeiros. O presidente da Câmara, Charles Tang, o apresentou como uma espécie “de primeiro ministro” do governo que estruturou o processo de desenvolvimento brasileiro.
(…)
“Nós não temos nenhum problema fronteiriço, nenhum litígio político com nenhum país da América do Sul. Somos como a China, uma força em desenvolvimento”, afirmou. “A China é o principal fator de moderação de paz no mundo de hoje.”
Aqui

Continua após a publicidade

Publicidade