Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

COMISSÃO DA VERDADE E CHANCHADA

Paulo Sérgio Pinheiro,  secretário de Direitos Humanos do governo FHC, foi indicado como “representante da sociedade civil” para integrar a orwelliana “Comissão da Verdade”, que vai apurar transgressões aos direitos humanos havidas no Brasil entre 18 de setembro de 1946 a 5 de outubro de 1988, quando a Constituição foi promulgada. Há um truquezinho aí, […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 16h02 - Publicado em 26 jan 2010, 19h41

Paulo Sérgio Pinheiro,  secretário de Direitos Humanos do governo FHC, foi indicado como “representante da sociedade civil” para integrar a orwelliana “Comissão da Verdade”, que vai apurar transgressões aos direitos humanos havidas no Brasil entre 18 de setembro de 1946 a 5 de outubro de 1988, quando a Constituição foi promulgada.

Há um truquezinho aí, que já rendeu nos sites noticiosos: “Governo Lula indica secretário de FHC…” Há uma dupla utilidade nisso: 1) quem acha essa comissão desnecessária logo pensa: “Ih, lá  está gente de FHC metido na história”; 2) quem conta com ela para a revanche logo justifica: “Não venham dizer que é coisa do PT”.

Pinheiro é um ilustre representante da esquerda universitária. O segundo Programa Nacional de Direitos Humanos, de 2002, coordenado por ele, já mete o pé na jaca do esquerdismo mais bocó, embora ainda não seja um texto para uma ditadura, como é a terceira versão, sob o comando de Paulo Vannuchi. Quando ficaram evidentes os absurdos desse texto e seu verdadeiro esbulho constitucional, Pinheiro saiu em defesa do programa petista, afirmando que textos dessa natureza são mesmo “abrangentes”.

Ocorre que ninguém estava criticando a “abrangência”, mas a sua verticalidade  autoritária. O texto, defendido por Pinheiro, prevê censura à imprensa, cassação de concessão de rádio e TV, extinção da propriedade privada, perseguição a símbolos religiosos, descriminação do aborto… Tudo em nome dos direitos humanos. Que “sociedade civil” ele representa?

Compõem ainda a comissão o próprio Vannuchi (Isso é que garantia de isenção!), Paulo Abrão, presidente da Comissão de Anistia; Vilson Marcelo Vedana, consultor jurídico do Ministério da Defesa, e Erenice Guerra, secretária-executiva da Casa Civil.

Continua após a publicidade

Uma “Comissão da Verdade”, vejam que mimo!, contará com a presença de um ex-subordinado de Carlos Lamarca — no caso, Vannuchi, que foi membro da ALN. Não é o caso de se defender que o grupo também tenha um ex-torturador porque, de fato, eu acho que uma comissão como essa tem de estar livre de ex-torturadores e de ex-terroristas.

Quanto a Erenice, aí, bem, aí já é a comissão na sua versão chanchada. A presença desta senhora, braço direito —  e, às vezes, o esquerdo também — de Dilma Rousseff evidencia, uma vez mais, o quão comprometida com o texto está a própria  ministra-candidata. Ontem, ela tentou se fazer de desentendida (já falo a respeito). Os fatos provam o contrário.

Mais: em matéria de direitos humanos, dona Erenice tem atuação acima de qualquer suspeita. Figura que realmente opera a Casa Civil, sob o seu comando, o ministério preparou aquele dossiê picareta contra o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e sua mulher, a antropóloga Ruth Cardoso.

Contra as evidências, Erenice negou tudo. Está pronta para integrar uma Comissão da Verdade.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.