Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Com inflação alta, chegou o fantasma da indexação

Por Márcia De Chiara, no Estadão:A disparada dos índices de custo de vida traz de volta a ameaça da inércia inflacionária. Esse mecanismo de aumentar os preços tendo como base a inflação passada se propaga por meio de contratos que prevêem cláusulas de indexação ou pelo sentimento dos próprios empresários e trabalhadores que querem manter […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 19h18 - Publicado em 29 jun 2008, 08h09
Por Márcia De Chiara, no Estadão:
A disparada dos índices de custo de vida traz de volta a ameaça da inércia inflacionária. Esse mecanismo de aumentar os preços tendo como base a inflação passada se propaga por meio de contratos que prevêem cláusulas de indexação ou pelo sentimento dos próprios empresários e trabalhadores que querem manter o faturamento e o salário, respectivamente, diante do ajuste de preços relativos que o aumento da inflação provoca.
Mais de 40% do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fipe são de produtos ou serviços que, de alguma forma, levam em consideração aumentos da inflação passada em seus reajustes, formal ou informalmente. No caso do IPCA, o peso desses itens é de 46%. No IPC-Fipe, é de 44%. Nesse rol de preços estão aluguéis, gastos com escolas, contratos de assistência médica, assim como tarifas de energia elétrica e telefonia, entre outras.
“Estamos num estado de pré-inércia inflacionária que tem de ser combatido. É de se esperar que esse ciclo ganhe força com as negociações salariais”, afirma o coordenador de Análises Econômicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Salomão Quadros. Ele lembra que o próprio governo acaba de dar aumento de 8% para o Bolsa-Família, acima da inflação de 5,58% acumulada em 12 meses até maio, pelo IPCA.
Em 2003, depois do choque inflacionário, a economia passou por um período de inércia nos preços, cujos efeitos de realimentação da inflação se mantiveram por quase dois anos, diz Quadros. Hoje, a economia estaria, diz ele, passando por situação parecida, mas com intensidade muito menor porque o ciclo mal começou.
De toda forma, uma parte desse repasse automático da inflação passada aos preços atuais é líquido e certo no caso de tarifas que levam em conta índices passados, como o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), para determinar os reajustes.
Assinante lê mais aqui

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)