Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Alô, leitores bons de desenho: mandem sugestões para o “Supercoxinha”

Tenho chamado Fernando Haddad de “Prefeito Coxinha”. “Coxinha” é uma gíria empregada pela molecada — é até bem antiga — para designar aquele rapaz com cara de bom moço, que anda sempre arrumadinho, que, como diz uma propaganda, nunca “suja o shortinho”. A gente olha pra ele e não o vê dando canelada no futebol, […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 07h02 - Publicado em 18 jan 2013, 19h46

Tenho chamado Fernando Haddad de “Prefeito Coxinha”. “Coxinha” é uma gíria empregada pela molecada — é até bem antiga — para designar aquele rapaz com cara de bom moço, que anda sempre arrumadinho, que, como diz uma propaganda, nunca “suja o shortinho”. A gente olha pra ele e não o vê dando canelada no futebol, fazendo malcriação para as tias, falando palavrão, nada. O Coxinha, quando mais maduro, tem cara de bom genro. Numa discussão mais acalorada, ele acha que a verdade está sempre no meio-termo. Uma flor de pessoa. Ah, sim: o Coxinha também conquistou a fama de inteligente…

Essa é a imagem pública de Haddad, não? Lula concedeu a Ratinho a sua primeira entrevista depois da doença. Estava acompanhado de Haddad, que era apresentado, então, ao grande público como candidato à Prefeitura. O Apedeuta exaltou as qualidades do seu indicado: era “bonitão” e competente…

Na imprensa paulistana, o prefeito Coxinha é o “Supercoxinha”. Aprendi que ele tem uma solução para tudo. Apresentem o problema, e o super-herói está pronto a dar uma resposta, geralmente naquele “sociologuês” mezzo marxista, mezzo abobrinha, que tanto encanta o socialismo socialite do Complexo PUCUSP — muitos tucanos também ficam fascinados, é bom deixar claro.

Brinquem aí, desenhistas. Mandem sugestões para o Supercoxinha. Imaginem o prefeito na sua sala, envolvido com alguma tarefa aborrecida, como Clark Kent em alguma missão chatinha. Alguém aponta um problema na cidade — ou no mundo; pensem sem fronteiras —, e ele passa por uma transformação. 

Como compor o seu uniforme? Que elementos serão usados para caracterizar esse misto de bom-mocismo e esquerdismo chique? Lembre-se que o Supercoxinha pode ser eventualmente mauzinho e que obedece as ordens de uma espécie de espectro: Lula. Havendo alguma sugestão, publico aqui. Havendo várias, a gente faz um concurso para definir o nosso super-herói oficial. Sim, também o Supercoxinha terá a sua kryptonita: qualquer tratado de lógica elementar.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês