Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

A estúpida irresponsabilidade do vazamento das negociações entre palestinos e Israelenses.

O que faz aqui esta foto? Vamos ver. Estão todos encantados com a chamada “Era da Transparência”, em que tudo pode  — e, segundo se entende — deve ser vazado? Ok. Os inocentes e os nem tanto façam bom proveito. Eu continuarei aqui na minha torrezinha de observação, a considerar que certos sigilos protegem vidas […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 13h03 - Publicado em 26 jan 2011, 18h55

O que faz aqui esta foto? Vamos ver.

churchill-roosevelt-e-stalinEstão todos encantados com a chamada “Era da Transparência”, em que tudo pode  — e, segundo se entende — deve ser vazado? Ok. Os inocentes e os nem tanto façam bom proveito. Eu continuarei aqui na minha torrezinha de observação, a considerar que certos sigilos protegem vidas humanas e que os governos têm o direito — e, às vezes, a obrigação — de manter certas informações abrigadas da curiosidade e da especulação públicas.

É estupidamente irresponsável, mais do que parece, o vazamento de documentos secretos — promovidos pelos radicais incrustados na Al Jazeera e pelos esquerdistas do jornal britânico Guardian — dando conta de que a Autoridade Palestina estaria disposta a fazer algumas concessões a Israel nas negociações de paz.

Segundo as informações, Saeb Erekat, o negociador palestino, teria aceitado que Israel anexasse os assentamentos judaicos em Jerusalém Oriental  em troca de terras em outras regiões. A Fatah, grupo a que pertence Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Nacional Palestina, teria concordado também com limites à volta dos refugiados. Então vamos lá.

Quem ganha com essa coisa toda? É evidente que é o Hamas. E, antes dele, a continuidade do permanente banho de sangue em que se transformou o Oriente Médio. Erekat diz agora que teme ser assassinado em razão da divulgação dos mais de 1.600 documentos, que se referem a 10 anos de negociações. Ora, volta de refugiados e Jerusalém Oriental são dois dos nós da negociação que jamais desatam. É impossível negociar essas questões em público, é óbvio. Quem quer que tenha vazado os documentos aposta, nesta ordem: 1) na permanência do conflito; 2) no Hamas.

O vazamento da Al Jazerra e do Guardian fez em favor do grupo terrorista o que ele próprio jamais conseguiu fazer por si mesmo. Os documentos também trazem os contatos — que já eram conhecidos, mas agora evidenciados num ambiente muito mais envenenado — entre a corrente de Abbas e o serviço secreto israelense para tentar conter o Hamas.

Uma constante
Seja do WikiLeaks ele mesmo, seja agora o “WikiLeaks palestino”, não sei se notam, os ditos “vazamentos” sempre colaboram para endossar o que eu chamaria, genericamente, de “teses hostis à civilização”. Até agora não se sabe de um só vazamento que tenha realmente deixado em maus lençóis as tiranias. O que vem a público tem contribuído, invariavelmente, para tentar desmoralizar as democracias. O alvo principal são os Estados Unidos. E agora Israel e os moderados palestinos entram na mira. Faz um danado de um sentido!

Essa história é moralmente detestável. Não há consenso — inclusive aqueles que salvaram a humanidade de graves dissabores — que resistiria à exposição dos termos que o constituíram. Lá no alto, vocês vêem Churchill, Roosevelt e Stálin a Conferência de Ialta. Foi uma sorte os detalhes do “acordo” entre os três não terem vazado, não é mesmo? Com WikiLeaks e afins, talvez não houvesse ninguém hoje para contar a história.

Não dá! O vazamento dos documentos das negociações entre palestinos e isralenses foi promovido por quem precisa de cadáveres. E eu, lamento pelos fascinados pela “nova era”, não tenho como apoiar a política da morte.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês