Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Todas as concessões do governo Lula na discussão do Perse

Câmara aprovou novo formato para programa de apoio a eventos e turismo, com 30 atividades econômicas e custo total de R$ 15 bilhões

Por Nicholas Shores Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 12h03 - Publicado em 24 abr 2024, 09h30

O acordo que levou a Câmara a aprovar o projeto do novo Perse na terça, com 30 atividades econômicas beneficiadas e um custo total de 15 bilhões de reais em três anos, exigiu algumas concessões do governo Lula – em especial, do ministro Fernando Haddad (Fazenda), cobrado publicamente pelo chefe a “conversar mais” com o Congresso.

Haddad aparou todas as arestas em torno do Perse em negociações em um almoço com Arthur Lira (PP-AL), a relatora do projeto, Renata Abreu (Podemos-SP), e pouco mais de 20 líderes de bancadas na residência oficial da presidência da Câmara.

Em uma das principais concessões, o ministro propôs deixar os custos tributários com o programa de incentivo aos setores de turismo e eventos de janeiro a abril de 2024 fora do limite de 15 bilhões de reais – que, pelo acordo, só começará a ser consumido a partir de maio.

O gesto resolveu um impasse em torno da distribuição da verba ao longo dos três anos de programa.

Na reunião chefiada por Lira, circulou a projeção de que o Perse custaria 8 bilhões de reais em 2024. Sobrariam “só” 7 bilhões de reais para 2025 e 2026 – 3,5 bilhões em benefícios fiscais para cada um desses anos. Os deputados queriam 5 bilhões de reais por ano.

Continua após a publicidade

Para atender a essa demanda dos parlamentares, Haddad bancou, pela lógica de quem participou da reunião, um custo tributário da ordem de 3 bilhões de reais com o Perse nos primeiros quatro meses de 2024, por fora do limite global de 15 bilhões, em um gesto à Câmara.

O próprio orçamento de 15 bilhões para o programa já foi uma concessão em relação aos 8 bilhões nos quais o ministro da Fazenda queria traçar o limite de gastos.

Além disso, as 30 classificações nacionais de atividades econômicas (CNAEs) contempladas pelo relatório de Renata Abreu que a Câmara aprovou na terça-feira superam de longe as 12 categorias de negócios que o governo incluiu na versão original do projeto do novo Perse.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.