Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Relatório da oposição na CPMI é ‘voto ideológico pró-golpe’, diz Jandira

Deputada diz que voto em separado ‘passou batido’ por bomba plantada em Brasília, ataque à PF e militares para atacar Lula, Dino e Gonçalves Dias

Por Nicholas Shores Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 10 Maio 2024, 08h33 - Publicado em 18 out 2023, 08h30

Em paralelo ao relatório final da CPMI do 8 de Janeiro elaborado pela senadora Eliziane Gama, o bloco bolsonarista na comissão apresentou seu voto em separado, que não terá valor oficial. A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), da linha de frente do governo Lula no colegiado, classificou o relatório paralelo como um “voto ideológico pró-golpe”.

“O voto em separado deles passa batido pela tentativa de atentado a bomba em Brasília, pela tentativa de invadir a sede da PF, não cita nenhum militar, não cita o Mauro Cid, que é um réu confesso, e passa ao largo disso tudo pensando apenas em atacar Lula, Flávio Dino e o general Gonçalves Dias”, afirmou a parlamentar ao Radar.

Jandira disse ainda que os bolsonaristas não investigaram “nada”, bateram palmas para depoentes que ela vê como “golpistas”, e levantaram-se, no plenário da CPMI, para aplaudir, como herói, o general Augusto Heleno, “que é da linha-dura da ditadura, da caserna mais odienta que existiu”.

“É uma demonstração típica de que o dia 8 de janeiro não acabou”, afirmou a deputada do PCdoB.

Continua após a publicidade

Dona de boa interlocução com o ministro da Defesa, José Múcio Monteiro, a parlamentar garantiu que os pedidos de indiciamento de militares de alta patente do Exército e da Marinha não causarão atrito na relação do governo Lula com as Forças Armadas. “Estão todos na reserva e todos participaram do governo Bolsonaro”, disse.

Ela acredita que o conteúdo do relatório final da CPMI do 8 de Janeiro dará tração para uma PEC apresentada pela ex-deputada Perpétua Almeida, também do PCdoB, que proíbe militares da ativa de ocupar cargos civis na administração pública, obrigando-os a transferir-se para a reserva. “Não se podem politizar as Forças Armadas nem militarizar a política”, afirmou Jandira.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.