Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Palocci delata Abílio, Safra e repasses ao PT, Haddad e Instituto Lula

Documento obtido pelo Radar confere, pela primeira vez, contornos concretos à principal frente da delação do ex-ministro

Por Robson Bonin Atualizado em 14 ago 2019, 20h53 - Publicado em 14 ago 2019, 19h38

Antonio Palocci narra, no anexo 7 de sua delação, como o PT, Lula e até Fernando Haddad lucraram com a guerra entre Abílio Diniz e a francesa Casino pelo controle do grupo Pão de Açúcar.

Segundo Palocci, o Banco Safra, representando a Casino, repassou “vantagem indevida” ao PT para evitar a “concessão de empréstimo do BNDES para o processo de fusão do Grupo Pão de Açúcar e Carrefour”. “O Banco Safra repassou 2 milhões de reais à campanha à prefeitura de São Paulo de Fernando Haddad, em 2012, além de 10 milhões de reais à campanha presidencial de 2014, somados a diversos repasses ao Instituto Lula”, relata Palocci.

Em nota, o ex-prefeito reitera que nunca tratou com o ex-ministro de qualquer tipo de colaboração intermediada por ele. Desconhece completamente qualquer contribuição do Banco Safra. E informa que todas as doações figuram na prestação de contas homologada pela Justiça Eleitoral.

Já Abílio contratou o próprio Palocci. O ex-ministro diz ter recebido 2 milhões de reais para atuar em favor de Abílio no caso, a partir de “contratos fictícios da empresa PAIC Participações junto à Projeto. Abílio, como se sabe, perdeu a parada.

Ainda sobre o Banco Safra, o anexo 9 da delação de Palocci é dedicado à operação de socorro do BNDES que teria sido usado para fazer uma injeção “atípica” de dinheiro na Aracruz de modo a permitir que a empresa fosse vendida ao grupo Votorantim. O caso foi revelado pelo jornal O Globo. O grupo Safra tinha uma participação na Aracruz e, de acordo com Palocci, a operação viabilizou a venda dessa fatia. O ex-ministro diz que, em contrapartida, os grupos Safra e Votorantim fizeram repasses eleitorais ao PT em 2010 e 2014.

O Banco Safra e Abílio não quiseram comentar a delação de Palocci.

O grupo Votorantim enviou a seguinte nota ao Radar: “A Votorantim, por razão de princípio, não se manifesta sobre vazamentos. Se vier a existir investigação sobre os pretensos fatos, será demonstrada a verdade e a inexistência de qualquer ilícito. A Votorantim adota postura apartidária e sempre prezou pela total transparência nos processos de doações eleitorais, seguindo rígida Política Corporativa de Doações Eleitorais.”

Divulgação/Divulgação
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)