Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Órgão ligado ao MEC colecionou problemas sob gestão de Mendonça Filho

Fundaj em polvorosa

Por Pedro Carvalho Atualizado em 15 jan 2019, 17h40 - Publicado em 15 jan 2019, 08h35

A Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), em Pernambuco, autarquia federal subordinada ao Ministério da Educação, passa por maus bocados.

Além de aparecer entre os órgãos federais mais vulneráveis em termos de riscos de fraude e corrupção, de acordo com relatório do TCU, a Fundaj internamente vive em polvorosa. 

Sem presidente titular desde março de 2018, quem está à frente da pasta é a diretora-administrativa Ivete Pereira. Não pegou bem entre seus subordinados o fato dela sair de férias no começo do mês e voltar ao trabalho apenas no próximo dia 17. Alegam que o órgão já está a deriva com ela, interina, quanto mais sem.

Mas o ponto sensível na relação toda são mesmo as nomeações da época que o MEC estava sob controle de Mendonça Filho. Como todo boa autarquia federal, nomeações políticas são comuns. Às favas com os critérios técnicos.

Os funcionários, claro, querem que apenas servidores efetivos, com formação adequada e amplo conhecimento sobre o órgão, ocupem cargos de direção.

Um grupo, inclusive, denunciou à Controladoria Geral da União o excesso de cargos ocupados por indicação do ex-ministro da Educação antes e após as eleições. De acordo com o documento entregue, em 2014 o número de cargo comissionado para o setor de assessoramento superior (cargos de direção do órgão), era de 40,8%. Sob a gestão de Mendonça Filho, em 2016, aumentou para 50,5% e em 2018, para 65%.

Outro ponto da denúncia é a contratação em excesso de terceirizados e estagiários.

Alfredo Bertini, caso confirmado por Ricardo-Vélez Rodriguez na presidência da Fundaj, terá muito trabalho em apaziguar os ânimos.

(ATUALIZAÇÃO: O ex-ministro Mendonça Filho afirma que “encontrou a Fundação Joaquim Nabuco, em maio de 2016, sucateada pelas gestões do PT”. Sobre o relatório citado na nota, Filho diz que o documento versa sobre gestões passadas e é um mapeamento de riscos. Por fim, as indicações foram feitas todas sob aspectos técnicos, defende).

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)