Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Olavo fala em ‘guerra perdida’ e chance remota de reeleição de Bolsonaro

Escritor negou ser guru ideológico do presidente; ‘duvido que tenha lido o meu livro inteiro’, disse

Por Lucas Vettorazzo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 21 dez 2021, 14h21 - Publicado em 21 dez 2021, 14h19

Guru ideológico de Jair Bolsonaro e seus filhos, Olavo de Carvalho expressou sua insatisfação com o governo durante uma palestra nesta semana em um congresso conservador.

Segundo o escritor, Bolsonaro perdeu o foco quando quis mostrar serviço como gestor público e deixou de lado a briga contra o Foro de São Paulo e a “dominação cultural comunista”. “O Bolsonaro foi tratar de parecer um grande administrador, quis parecer o novo Juscelino Kubitschek, perdeu tempo”, disse.

Olavo deu a entender que o presidente terá dificuldade em se reeleger no ano que vem porque a “briga já está perdida”. O escritor dizia que Bolsonaro tinha popularidade e não poder de fato. Este estaria na mão da “turma do STF, da mídia e do show business”.

“Isso é a raiz de todos os males e o Brasil vai se dar muito mal, gente. Não venham com esperanças tolas porque é o seguinte: a briga já está perdida. Existe a chance de voltar, existe uma chance remota se o Bolsonaro acordar.  Eu não sei como fazê-lo acordar. O pessoal imagina que eu que sou o guru do Bolsonaro. Isso é absolutamente falso. Conversei com o Bolsonaro quatro vezes na minha vida e duvido que tenha lido o meu livro inteiro. Nem aquele livro único. Ele não leu aquele inteiro. Se tivesse lido com atenção, tem muita coisa que ele fez e ele não faria. E os demais livros, e o meu curso, que tem 570 aulas? Ele assistiu alguma? Nenhuma“, disse.

Continua após a publicidade

Olavo ainda acusou Bolsonaro de usá-lo para se promover na campanha eleitoral. “A minha influência sobre o Bolsonaro é zero. Ele me usou como ‘poster boy’, me usou para se promover, para se eleger e depois disso não só esqueceu tudo o que eu disse e até os meus amigos que estavam no governo ele tirou”, afirmou. 

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.