Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

O único ponto em que os institutos de pesquisa concordam

Com a eleição ainda distante, as pesquisas servem para animar as torcidas e dar argumentos aos partidos na barganha de poder, mas só

Por Robson Bonin Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 30 Maio 2022, 09h10 - Publicado em 27 Maio 2022, 11h39

Parte da bolha que este colunista acompanha nas redes foi dormir na quinta gritando de raiva ou de euforia com o Datafolha que deu Lula a quilômetros de Jair Bolsonaro na corrida ao Planalto. Todo tipo de teoria surgiu depois do resultado.

Nesta sexta, o Ipespe mostrou como é duro o trabalho dos institutos nessa missão de antecipar a escolha pessoal que milhões de brasileiros farão, na solidão da urna, em outubro. O instituto mostrou nesta sexta que Lula segue na liderança, mas a distância em relação a Bolsonaro não é tão definitiva como o cenário de quinta. Petistas escolherão acreditar num instituto; bolsonaristas, em outro.

Com o calendário eleitoral estacionado à espera da campanha, que só começará oficialmente em 16 de agosto, as pesquisas servem para isso mesmo: animar as torcidas organizadas nessa polarização entre petistas e bolsonaristas, para massacrar a minguada terceira via e para dar munição aos partidos que ainda barganham entre si os espaços de poder na formação de alianças.

A única coisa com que as pesquisas concordam, nesta fase, é que o país caminha para uma eleição entre o antipetismo e o antibolsonarismo. O candidato que, em outubro, embrulhar menos o estômago do eleitor terá mais chances de levar a faixa.

Os presidenciáveis até aqui posicionados também repetem uma mesma frase: “Até outubro, tudo pode acontecer — inclusive nada”. A terceira via sonha com um milagre, uma imagem que arrebate o eleitorado e derrube a lógica atual dos números.

Continua após a publicidade

Lula e Bolsonaro, com suas torcidas cativas, trabalham para que tudo fique como está: a resistência de ambos a participar dos debates é prova disso. A polarização alimenta os dois, ajuda os dois. Um precisa do outro para seguir vivo na disputa. No segundo turno…

Lula nunca venceu uma campanha no primeiro turno. Nunca enfrentou um oponente como Bolsonaro, com uma cartilha de atrocidades políticas rara, mas com inegável apoio em sua origem popular. Parte do país deplora a figura do presidente, mas a verdade é que ela é o retrato do que outra parte da sociedade sempre pensou e praticou distante da posição dominante de poder.

Lula aposta alto ao tentar voltar ao Planalto sem reconhecer os erros e a corrupção dos seus governos. Se não fez nada errado no passado, como prometer fazer diferente no futuro? Bolsonaro fez o que quis no Planalto, sem se importar com nada nem ninguém. As mortes na pandemia, a instabilidade institucional, o encolhimento dos poderes do Executivo diante do lobby do Legislativo, a corrupção e a crise econômica que lhe tiram votos agora são resultado dessa escolha diária do presidente pelo “dane-se, vou ali andar de moto ou de jet ski”.

Bolsonaristas e petistas são parecidos numa coisa: absolvem o que há de pior nos seus ídolos e tentam convencer o restante do país de que a sua visão de mundo é o melhor destino disponível. Nesse campo, aliás, é sempre melhor não avançar para não estragar o churrasco de domingo da família.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.