Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

‘Não ajuda’, comenta diplomata sobre ataque de Bolsonaro à China

Na quarta-feira, o presidente citou uma suposta "guerra química" com a Covid-19, em referência velada ao governo chinês

Por Gustavo Maia Atualizado em 7 Maio 2021, 17h59 - Publicado em 9 Maio 2021, 16h00

A reação resignada de um integrante da cúpula do Itamaraty ao mais recente ataque de Jair Bolsonaro à China ilustra a dificuldade da diplomacia brasileira diante do comportamento no mínimo errático do presidente. Em reservado, o diplomata respirou fundo e respondeu:

“Esse tipo de coisa não ajuda”.

O servidor lembrou a importância dos chineses na aquisição de vacinas e na balança comercial do Brasil. Mas explicou que o papel do Ministério das Relações Exteriores é saber se adaptar ao governo eleito.

Empossado há um mês, o ministro das Relações Exteriores, Carlos Alberto França, teve que reconstruir o relacionamento com o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, que cortara relações com o seu antecessor, Ernesto Araújo.

Na semana anterior, o chanceler já teve que entrar em cena para apagar o incêndio causado pela declaração do ministro Paulo Guedes de que os chineses “inventaram” o novo coronavírus.

Continua após a publicidade

Publicidade