Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

‘Na 2ª guerra, Lula teria defendido direito à vida de judeus’, diz Janja

'Mundo precisa se indignar com assassinato de crianças por Israel', diz a primeira-dama

Por Robson Bonin Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 19 fev 2024, 15h38 - Publicado em 19 fev 2024, 14h04

A primeira-dama Rosângela da Silva decidiu sair em defesa de Lula na crise provocada pela declaração do petista comparando a reação de Israel aos ataques terroristas do Hamas ao Holocausto.

“O que está acontecendo na Faixa de Gaza e com o povo palestino não existe em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu: quando o Hitler resolveu matar os judeus”, disse Lula, após ser questionado sobre a decisão de alguns países de suspender os repasses financeiros à Agência da ONU para os Refugiados Palestinos.

Para Janja, o mundo precisa se levantar contra a morte de crianças e mulheres na Faixa de Gaza. “É preciso que o mundo se indigne com o assassinato de cada uma dessas crianças e que se una urgentemente na construção da paz”, diz Janja.

Tenho certeza de que se o presidente Lula tivesse vivenciado o período da Segunda Guerra, ele teria da mesma forma defendido o direito à vida dos judeus”, segue a primeira-dama.

Continua após a publicidade

Nesta segunda, Lula foi declarado persona non grata por Israel. O ministro das Relações Exteriores israelense, Israel Katz, disse que o termo só será retirado se Lula pedir desculpas e se retratar: “Não perdoaremos e não esqueceremos — em meu nome e em nome dos cidadãos de Israel, informei ao presidente Lula que ele é persona non grata em Israel até que ele peça desculpas e se se retrate”.

Leia o texto de Janja: “Orgulho do meu marido que, desde o início desse conflito na Faixa de Gaza, tem defendido a paz e principalmente o direito à vida de mulheres e crianças, que são a maioria das vítimas. Tenho certeza de que, se o Presidente Lula tivesse vivenciado o período da Segunda Guerra, ele teria da mesma forma defendido o direito à vida dos judeus. A fala se referiu ao governo genocida, e não ao povo judeu. Sejamos honestos nas análises. Perguntei certa vez a uma jornalista por que a imprensa não divulga as imagens do massacre em Gaza, ao que ela me respondeu: “Porque são muito fortes as imagens das crianças mortas”. Se isso não é esconder o genocídio, eu não sei o que é. É preciso que o mundo se indigne com o assassinato de cada uma dessas crianças e que se una urgentemente na construção da paz!”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.