Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Governadores: ‘não permitiremos que atos irresponsáveis tumultuem o país’

Recado consta em carta dos integrantes do Consórcio Nordeste, que se reuniram nesta quarta-feira em Natal

Por Gustavo Maia Atualizado em 25 ago 2021, 15h23 - Publicado em 25 ago 2021, 15h19

Reunidos em Natal (RN) nesta quinta-feira, governadores do Nordeste produziram uma carta em que conclamam a sociedade e as instituições a tomarem uma “atitude firme em defesa da sociedade e da paz”, em um recado indireto ao presidente Jair Bolsonaro, que não é citado no texto.

Tendo como pano de fundo a expectativa pelos atos convocados por Bolsonaro e seus aliados para o próximo dia 7 de setembro, os integrantes do Consórcio Nordeste afirmaram que os Estados vão cumprir “a missão de proteger a ordem pública” e não participarão de qualquer ação inconstituicional.

“Não permitiremos que atos irresponsáveis tumultuem o Brasil”, conclui o documento, assinado pelos governadores Wellington Dias (Piauí), Renan Filho (Alagoas), Rui Costa (Bahia), Camilo Santana (Ceará), Flávio Dino (Maranhão), João Azevedo (Paraíba), Fátima Bezerra (Rio Grande do Norte) e pelas vice-governadoras Luciana Santos (Pernambuco) e Eliane Aquino (Sergipe).

Leia a seguir a “Carta dos governadores do Nordeste”, na íntegra:

Natal, 25 de agosto de 2021

Os governadores do Nordeste, reunidos em Natal (RN) nesta data, conclamam a sociedade e as instituições a uma atitude firme em defesa da legalidade e da paz. Somente assim o Brasil terá condições de combater a inflação, o desemprego e a pobreza, que crescem nos lares das famílias da nossa Nação.

Reafirmamos que as instituições estaduais cumprirão a missão de proteger a ordem pública e, por isso mesmo, não participarão de qualquer ação que esteja fora da Constituição.

Não permitiremos que atos irresponsáveis tumultuem o Brasil.

Continua após a publicidade

Publicidade