Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Desespero eleitoral de Bolsonaro já atrapalha entrada do Brasil na OCDE

Presidente negocia combustível e fertilizantes com Vladimir Putin enquanto busca ingressar no clube dos países que condenam a Rússia pela guerrra

Por Robson Bonin Atualizado em 1 jul 2022, 08h33 - Publicado em 1 jul 2022, 06h01

Com tantos problemas no governo — corrupção, assédio sexual, inflação… —, passou despercebida nos últimos dias a guerra
instalada no Planalto por causa da OCDE.

O chanceler Carlos França foi bombardeado por colegas — a ala de ministros que trabalha pela entrada do Brasil no clube dos países ricos — por apoiar a parceria de Jair Bolsonaro com a Rússia, o que irrita os membros da organização e dificulta o acesso ao organismo.

Com o prolongamento da invasão russa na Ucrânia, as cartas dos países europeus e dos Estados Unidos condenando Vladimir Putin passaram a ser cada vez mais duras. Na hora de assinar, o Brasil, por orientação de França, costuma vacilar e defender uma tal “neutralidade” na questão.

Num entrevero recente, o governo só concordou em assinar uma carta condenando a guerra depois de o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, conversar com Bolsonaro. “França poderia ter feito esse papel, mas não queria assinar a carta”, diz um ministro. “O Leite foi que salvou o governo”, segue o mesmo auxiliar de Bolsonaro.

O Brasil quer entrar na OCDE e, ao mesmo tempo, obter fertilizantes e o diesel baratos da Rússia. “A chance de dar certo é zero”, diz um ministro, irritado com França e Bolsonaro.

Como não dá para se abraçar com inimigos da guerra e depois tirar vantagem econômica do conflito negociando com Putin, Bolsonaro terá de escolher. Por puro desespero eleitoral, auxiliares acreditam que ele poderá optar por sacrificar a entrada na OCDE.

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)