Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Deputado pede convocação de Queiroga para explicar falta de remédio no SUS

Elias Vaz (PSB-GO) cita reclamações sobre desabastecimento de antibióticos, analgésicos e anti-inflamatórios em unidades de saúde de Goiás

Por Laísa Dall'Agnol Atualizado em 16 Maio 2022, 18h24 - Publicado em 16 Maio 2022, 16h27

O deputado federal Elias Vaz (PSB-GO) protocolou um pedido para que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, seja convocado a dar explicações sobre o desabastecimento de medicamentos básicos em unidades públicas de saúde, principalmente no estado de Goiás.

A solicitação pleiteia que os esclarecimentos sejam prestados à Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara.

Segundo o parlamentar, sua equipe tem recebido várias reclamações a respeito da falta de remédios em postos de saúde e hospitais, com relatos, inclusive, de que médicos precisam ligar nas farmácias e perguntar de antemão quais antibióticos, analgésicos e anti-inflamatórios estão disponíveis antes de receitar o medicamento ao paciente.

Ainda segundo o pedido de convocação apresentado pelo deputado, a indústria farmacêutica argumenta que houve uma explosão na demanda, mas que tem trabalhado para recompor os medicamentos em falta. O parlamentar, no entanto, aponta que o argumento não se sustenta, uma vez que já era esperado um pico das doenças comuns com o fim da pandemia e flexibilização das restrições sanitárias.

“O Ministério da Saúde é o órgão responsável pela gestão dos estoques e tem a obrigação de intervir, com ações rápidas e concretas, em caso de risco à continuidade dos tratamentos. A Constituição garante o direito à saúde a cada cidadão brasileiro e esse direito passa pelo acesso aos medicamentos”, diz Elias Vaz.

No último mês, o deputado revelou o escândalo da compra, autorizada pelo governo federal, de citrato de sildenafila, popularmente conhecido como Viagra, e próteses penianas infláveis pelas Forças Armadas. Elias Vaz identificou a aquisição de 11 milhões de comprimidos pela Marinha, que firmou contrato com o laboratório EMS para a transferência de tecnologia, ou seja, para começar a produzir o Viagra.

“O governo federal precisa explicar os critérios para a produção de medicamentos pelas Forças Armadas. Primeiro, foi a cloroquina, comprovadamente sem eficácia no combate à Covid. Agora, o Viagra. Enquanto isso, falta o básico nas unidades de saúde. O país não tem amoxicilina para atender os pacientes com infecção e o governo parece que não está preocupado”, afirma.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)