Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

De volta ao jogo político, Geddel abençoa união do MDB com o PT na Bahia

Ex-ministro foi condenado a 14 anos e 10 meses de prisão por lavagem de dinheiro no caso dos R$ 51 milhões encontrados pela PF em um apartamento em Salvador

Por Laísa Dall'Agnol, Gustavo Maia Atualizado em 30 mar 2022, 17h46 - Publicado em 30 mar 2022, 16h41

Fora da cena política há pelo menos cinco anos, Geddel Vieira Lima (MDB) ressurgiu nesta quarta-feira ao abençoar o apoio da legenda ao pré-candidato do PT na Bahia, Jerônimo Rodrigues — o emedebista Geraldo Júnior, presidente da Câmara de Vereadores de Salvador, terá a vice na chapa do petista.

Também participaram do encontro na sede do MDB baiano os senadores Otto Alencar (PSD) e Jaques Wagner (PT). Ambos foram cotados para disputar o governo, mas decidiram seguir no Congresso — Otto tentará a reeleição e Jaques permanece no mandato até 2027.

O enlace com o MDB é considerado uma ofensiva do PT, que, após deslize de Wagner, perdeu o apoio do PP no estado — um de seus principais aliados e partido do vice do atual governador Rui Costa. Em entrevista a uma rádio há duas semanas, o senador petista declarou que Rui Costa permaneceria no mandato até o final, o que irritou o vice João Leão, que tinha a expectativa de assumir o Executivo e, em retaliação, acabou declarando apoio à candidatura de ACM Neto.

Durante o ato desta quarta, a palavra foi dada a Geraldo Júnior, que antes de começar a fala perguntou:

“Geddel tá aí, não?”.

Diante da negativa, ele comentou que o correligionário estava “escondido” e pediu que Geddel fosse chamado. Foi informado, então, que ele havia saído.

O ex-ministro foi condenado em 2019 a 14 anos e dez meses de prisão por lavagem de dinheiro no caso dos 51 milhões de reais encontrados pela PF em caixas e malas dentro de um apartamento em Salvador, dois anos antes. Em fevereiro deste ano, o ministro Edson Fachin, do STF, concedeu liberdade condicional a Geddel por bom comportamento.

Veja o vídeo do encontro desta quarta:

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês