Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Bolsonaro exagera até para os próprios padrões ao mentir sobre Lei Rouanet

O presidente disse que, até 2018, artistas podiam pegar 10 bilhões de reais por meio da Lei de Incentivo à Cultura

Por Gustavo Maia Atualizado em 24 fev 2022, 15h36 - Publicado em 24 fev 2022, 15h30

Em plena campanha à reeleição, o presidente Jair Bolsonaro aproveitou um discurso durante evento no Palácio do Planalto, nesta quarta-feira, para espalhar mentiras sobre a Lei de Incentivo à Cultura, conhecida como Lei Rouanet. E exagerou, até para os próprios padrões.

“Quando eu assumi, artistas que viviam aí bajulando o presidente, podiam pegar até 10 bilhões [de reais] por ano via Lei Rouanet, e em grande maioria não prestavam contas de nada”, declarou Bolsonaro, que antes de fazer seu pronunciamento, estava sentado ao lado do ex-presidente Fernando Collor, que sancionou a lei em 1991.

Aos fatos: quando Bolsonaro assumiu, em 2019, o teto da renúncia fiscal para todos os projetos da Lei Rouanet não passava de 1,5 bilhão de reais. Detalhe: no ano passado, já com o atual secretário especial da Cultura, Mário Frias, à frente da ferramente de fomento, o total captado chegou a 1,9 bilhão de reais. E, ao contrário do que disse o presidente, a prestação de contas sempre foi obrigatória.

Último ministro da Cultura do governo de Michel Temer, Sérgio Sá Leitão rebate declaração do chefe do Palácio do Planalto. “Trata-se de mais uma farsa do presidente e do bolsonarismo. A fantasia do ‘artista consagrado que recebeu bilhões da Lei Rouanet’ é tão verdadeira quanto a ‘caixa preta do BNDES’, o ‘chip da vacina chinesa’ e a ‘Terra plana’. Ou seja: fake news deliberada”, declara o ex-ministro, que é secretário de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, no governo João Doria, desde janeiro de 2019.

No começo do mês, a secretaria de Frias anunciou mudanças na lei, como a redução do limite do cachê de artistas solo, de 45.000 reais para 3.000 reais, e a diminuição do valor máximo que as produções podem captar com patrocinadores, de 10 milhões para 6 milhões. E o TCU passou a investigar a aplicação da ferramento na gestão Bolsonaro.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)