Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Bolsonaro é o grande beneficiário da desistência de Doria

Tucano seria um duro adversário para Bolsonaro e a gestão negligente do Planalto na pandemia

Por Robson Bonin Atualizado em 24 Maio 2022, 10h03 - Publicado em 23 Maio 2022, 12h59

Jair Bolsonaro ganhou um presente do PSDB nesta segunda, quando João Doria anunciou sua saída da disputa ao Planalto. Conhecido por sua capacidade de comunicação e de articulação de discursos, Doria poderia até não levar a corrida presidencial, mas seria um duro adversário para o presidente.

Doria travaria na campanha um confronto direto contra o negacionismo de Bolsonaro na pandemia. O governante que defendeu a ciência e atuou para trazer a vacina — para preservar vidas e para manter a economia funcionando durante a pandemia — enfrentaria o presidente que atrasou a compra de vacinas, boicotou as negociações do Butantan com a China e desprezou a ciência, estimulando o uso de medicamentos sem eficácia.

Doria, o responsável pela vacinação, enfrentaria Bolsonaro, que até hoje nega o imunizante. Teria os feitos econômicos de Henrique Meirelles em São Paulo para rebater a principal desculpa de Bolsonaro, de que o isolamento na pandemia é a causa de todas as falhas e dificuldades da atual gestão no Planalto. Mesmo com toda a crise provocada pela pandemia, Doria conseguiu colher realizações no estado. Com Doria na campanha, os eleitores teriam um duelo de ideias de um candidato que seguiu a ciência e a gestão política contra outro candidato que apostou no conflito e no caos para não assumir responsabilidades.

Assim como Bolsonaro lucrou com a saída de Sergio Moro, que seria o candidato que poderia responsabilizar o presidente pelo enterro do combate à corrupção, agora Bolsonaro lucra ao não ter que enfrentar Doria e sua gestão na pandemia. Como já fez em tantos momentos, ainda tentará entortar a narrativa dos fatos para dizer que ele, Bolsonaro, foi o grande responsável pela vacinação no país, dado que o governo federal pagou pelos imunizantes.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)